23 de novembro de 2021

Passado adverte que não podemos cometer os mesmos erros, afirma Romanelli sobre os pedágios

Divulgação

O deputado Luiz Claudio Romanelli afirmou hoje, 23, durante audiência pública da Frente Parlamentar Sobre os Pedágios, que as empresas que exploram as concessões no Paraná deixaram um rastro de obras não executadas.

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) afirmou hoje, 23, durante audiência pública da Frente Parlamentar Sobre os Pedágios, que as empresas que exploram as concessões no Paraná deixaram um rastro de obras não executadas. Os contratos que se encerram neste final de semana, mesmo após 24 anos, não foram cumpridos na integralidade e deixam um aprendizado para as novas licitações que serão feitas pelo governo federal.

“O passado está aí para nos advertir de que não podemos cometer os mesmos erros no futuro”, afirmou Romanelli. Ele destacou o estudo, contratado pela Assembleia Legislativa, do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura da UFPR, que levantou o passivo dos atuais contratos. “O objetivo é justamente ver a extensão de quanto o paranaense foi lesado nesses 24 anos”, apontou.

Romanelli disse ainda que o estudo técnico tem como base o contrato original, que foi sendo alterado ao longo da concessão em prejuízo da sociedade e dos usuários. “Entendo que comparar a entrega final das concessionárias com aquilo que foi definido em aditivos seria concordar com a malandragem e a corrupção”, disse.

O deputado destacou ainda a posição do governador Ratinho Junior (PSD) que não concordou com a prorrogação ou renovação dos atuais contratos de pedágio. Romanelli citou que não faltaram pressões para a manutenção das atuais concessionárias após o final dos contratos. “O governador agiu de forma absolutamente correta. Tomou uma atitude acertada ao determinar o fim dos atuais contratos, vendo o interesse público”.

Em relação às novas concessões, o deputado salientou a mobilização de deputados e deputadas, em conjunto com o setor produtivo e a sociedade civil organizada, para derrotar o modelo híbrido proposto pelo governo federal, e exigir um leilão pelo menor preço de tarifa, sem outorga. “A união de todos esses segmentos evitou que a economia do Paraná sangrasse em até R$ 9 bilhões só com a taxa de outorga”.

AUDIÊNCIA – Cerca de 800 pessoas de todo Paraná participaram diretamente da audiência pública organizada pela Frente Parlamentar Sobre o Pedágio. Técnicos do Instituto Tecnológico de Transportes e Infraestrutura, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), apresentaram um panorama sobre o fim das atuais concessões. (Com assessoria)


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

3 de dezembro de 2021

Butina se reúne com equipe da Sudis por novas moradias

Divulgação

3 de dezembro de 2021

Parceria da Prefeitura com o Judiciário vai regularizar mais de 5 mil lotes em PG

Divulgação

3 de dezembro de 2021

Prefeitura entrega salas de aleitamento em 5 unidades de saúde

Arquivo

3 de dezembro de 2021

Prefeitura de PG aplica 2ª dose de Pfizer e dose de reforço para público 18+

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

28 de setembro de 2020

Ponta Grossa tem 456 candidatos a vereador em 2020; Confira a lista