8 de outubro de 2021

Voltado à música regional, 33º FUC premia canções em cerimônia híbrida

Divulgação

Neste ano, o evento foi voltado a compositores regionais, dos Campos Gerais, e se desdobrou para além da tradicional premiação às canções, gerando o FUC Reverbera, conjunto de atividades voltadas à formação e capacitação dos artistas.

“Eu espero que isso que eu faço seja poesia, pra representar a saudade que não alivia”. A canção “O Eterno é o Presente”, de Luizinho, foi a grande vencedora do 33º Festival Universitário da Canção (FUC), da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). O evento aconteceu na noite de quarta-feira, 06, em formato híbrido, com a cerimônia no Teatro Pax e transmissão pelas redes sociais da UEPG.

Um tradicional festival de música, o FUC é organizado pela Diretoria de Assuntos Culturais, da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Culturais (DAC-Proex), e Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Institucional, Científico e Tecnológico (Fauepg), com patrocínio do Sistema de Crédito Cooperativo (Sicredi) e apoio do Programa Municipal de Incentivo Fiscal à Cultura (Promific). Neste ano, o evento foi voltado a compositores regionais, dos Campos Gerais, e se desdobrou para além da tradicional premiação às canções, gerando o FUC Reverbera, conjunto de atividades voltadas à formação e capacitação dos artistas.

“O show não pode parar. O FUC não pode parar”. Com essas palavras em mente, o professor Miguel Sanches Neto, reitor da UEPG, resumiu a capacidade de adaptação do Festival, mesmo durante uma pandemia, que não interrompeu um dos eventos mais importantes para a identidade da UEPG e dos Campos Gerais. “No período da pandemia, a criação artística, e aqui especificamente a criação musical, foi uma válvula de escape, uma maneira de lidarmos com medos e incertezas e construirmos espaços de segurança em que pudéssemos colocar para fora sentimentos”, apontou. Voltado aos artistas que prestigiavam o evento, formando o público no Cine Teatro Pax, o reitor complementou: “Seja para nós, como ouvintes, seja para vocês, como compositores, foi um espaço de salvação da nossa interioridade, da nossa capacidade de sobrevivência à pandemia; uma sobrevivência pela arte e pela criação”.

O diretor Executivo da Sicredi Campos Gerais, patrocinadora do 33º FUC, Marcio Zwierewicz, destacou que o FUC é reconhecido regional e nacionalmente, cumprindo um papel importante ao oportunizar o desenvolvimento de talentos na cultura e na música. “Apoiar eventos como esse muito nos honra. O FUC deixa a vida das pessoas melhor, gerando emprego, renda, oportunidade, desenvolvendo talentos únicos que são revelados nesse festival”, enalteceu.

“Ao longo de sua trajetória, o FUC contribuiu de forma significativa para o desenvolvimento das potencialidades artísticas no campo musical”, enfatizou o presidente da FAUEPG, Sinvaldo Baglie. Segundo ele, o festival é um dos mais tradicionais acontecimentos do calendário cultural do Paraná, integrando músicos de todas as regiões do Paraná. “Nesse tempo que nos inspira novos ares: cultura, música, saúde e paz”, desejou.

“Que bom que nós podemos estar aqui nesta noite. O FUC sempre nos enche de alegria, principalmente pela beleza das canções e o enaltecimento de grandes talentos”, comemorou a professora Édina Schimanski, pró-reitora de Extensão e Assuntos Culturais. Ela aponta que o FUC tem um viés social e um viés político, de valorização da arte e da cultura.

VENCEDORES – A música campeã do FUC foi “O Eterno é o Presente”, do compositor Luizinho, que a interpretou junto com Felipe, Andria, Kaik e Daniel. Em segundo lugar, ficou “Um bêbado iluminado”, de Scilas, que também levou o prêmio de Melhor Intérprete; e em terceiro, “Pobre Chavinho”, da banda Fios de Baiano.

Foi escolhido como Melhor Letra do 33º FUC o rap “Num Estalo”, da banda Zero Meia. E a votação do Júri Popular, que teve 742 votos, consagrou “Constantemente Contato”, de Lucas Cabral (126 votos).

Todas as músicas premiadas receberam, além dos certificados e prêmios em dinheiro, prêmios em produto dos apoiadores do 33º FUC.

Uma honra: é assim que define Scilas, artista premiado como Melhor Intérprete e com o segundo lugar do FUC, o sentimento de fazer parte dessa edição do Festival. Músico desde os 12 anos de idade, ele é velho conhecido do FUC. Já concorreu nas edições de 2004, 2005 e 2006 e participou da banda que animou a premiação em 2007, 2008 e 2009. “Agora, depois de tantos anos sem participar, volto aqui e conquisto dois prêmios com uma música que fala justamente sobre a nostalgia de compor músicas com letras legais, que remetem à diversão, mas que também trazem a poesia”, surpreendeu-se. “Para mim, é selar com chave de ouro esse ano de 2021”.

A pandemia de Covid-19 não foi fácil para Scilas, assim como para outros artistas. “Foi um período em que realmente a música foi aquilo que segurou nosso estado mental. Se não fosse a música, não sei se eu teria suportado. A música me segurou, me manteve são e sadio”, conta o artista que nasceu em Tibagi, foi criado em Ponta Grossa e viveu por anos em São Paulo, de onde voltou durante a pandemia. No período de quarentena, ele compôs várias músicas, interpretou música, ouviu música e gravou um EP com quatro músicas que falavam justamente sobre o período de superação, sofrimento e reconstrução.

UM FESTIVAL REINVENTADO – Não foi fácil fazer o 33º FUC. A constatação é uníssona dentre os organizadores do evento, mas também traz a sensação de missão cumprida. “É um caminho árduo, porque você precisa trabalhar ao mesmo tempo o presencial e o virtual”, rememora Adriana Suarez, chefe da Divisão de Cultura e Arte da Proex. “Como o FUC tem toda essa carga de história e uma presença muito forte na nossa região, foi uma energia diferente, mas muito valiosa. Foi muito bacana e teve um resultado satisfatório, de todo o contexto, desde a preparação, da relação dos bastidores, até o resultado final do evento”.

Para Chiquinho, o Francisco Acildo Souza, que faz parte da história e da memória do FUC, a cada edição do festival, a emoção se renova. Na 33ª, o técnico administrativo da Proex sentiu falta do calor do público, mas sentiu orgulho do que pôde ser feito em meio à pandemia. E agora, a cabeça já está no 34º FUC. “Sempre quando acaba o festival, a gente já está pensando no próximo”, brinca.

As equipes de todos os setores da UEPG que trabalharam para que o FUC acontecesse em 2021 vestiram a camisa do evento, conta Ariadene Caillot, que participou da organização. “Foi lindo, tocante. Mesmo à distância conseguimos sentir a emoção do público, pelos comentários na transmissão, pela reação dos participantes. Foi maravilhoso e estou orgulhosa de fazer parte da equipe da UEPG nesse momento”.

A professora Sandra Borsoi, coordenadora geral do Festival e diretora de Assuntos Culturais da Proex, também destacou a energia diferente do 33º FUC. “Por ter os músicos presentes, assistindo aqui conosco no teatro, nós pudemos sentir a energia deles, quando ouviam a própria música, suas falas”, conta. Para ela, foi marcante a experiência do voto popular via enquete online. “Algo que foi muito legal foi essa expectativa do júri popular, de todo mundo estar votando e os artistas aqui angustiados para saber se as pessoas estavam votando na música deles”.

AVALIAÇÃO – O FUC contou com 43 canções inscritas, que foram avaliadas conforme os quesitos de Música, Letra e Interpretação pelos curadores Thiago Xavier, Fabiane Pereira e Theo Ruiz. Das 43, dez músicas foram selecionadas como finalistas, gravadas em estúdio e apresentadas via streaming. Na noite do 33º FUC, os jurados Estrela Leminski, Ana Morena e Luiz Carlini, sob a coordenação do diretor musical do 33º FUC, Thiago Xavier, avaliaram as finalistas e classificaram o resultado final.

Thiago parabenizou os artistas que fizeram a grande noite do Festival, destacando a qualidade das canções selecionadas e mesmo daquelas que não chegaram à final, e agradeceu ao público que acompanhava pelas redes sociais. “Esse festival é de vocês. A Universidade Pública que está promovendo esse festival é de vocês e existe, dentre outras coisas, para proporcionar esses momentos. Viva a Universidade Pública!”, exclamou.

SHOW – “A bênção, Gilberto Zardo! A bênção, Fernando Durante!”. O show Canta Poesia, da banda Casa Cantante, trouxe ainda mais emoção e leveza à noite de quarta-feira. Uma homenagem a dois ícones da cultura ponta-grossense e da história do FUC que foram vítimas da Covid-19 marcou na história da Universidade a contribuição de Fernando Durante e de Gilberto Zardo.

O show foi idealizado pelo próprio Fernando Durante, em 2019. O objetivo era apresentar um repertório composto pela mescla de poesia e música nas escolas estaduais da região. Mas a chegada da pandemia não permitiu que os shows acontecessem ou que Fernando pudesse assistir ao resultado do trabalho.

Marina Durante, filha de Fernando Durante, destacou a relevância da data e da homenagem. “Hoje está completando seis meses da morte do meu pai e com certeza ele está muito feliz com essa homenagem, esteja onde estiver”, agradeceu. O publicitário foi um dos criadores do FUC, em 1980, quando era integrante do Diretório Central de Estudantes. Em 1995, Gilberto Zardo reativou o Festival, quando era Chefe da Diretoria de Cultura da Proex.

“O show foi emocionante”, enfatizou a professora Sandra Borsoi. Mesmo sem a presença física do público, quem assistiu o show pela transmissão sentiu a emoção passada em cada canção. Sandra destaca ainda a formação musical, momentos em que a banda comentou as músicas e suas origens. “Nenhum FUC da história trouxe isso. É a primeira vez em que um show do Festival trabalha também com a formação musical”.

FUC REVERBERA – “Esse ano o FUC se reinventou, trouxe novidades que rebatem diretamente na vida dos artistas”, lembra a pró-reitora, professora Édina. “O FUC Reverbera é uma grande realização e uma grande proposta de responsabilidade social”.

Uma das principais inovações do festival em 2021, o Programa FUC Reverbera tem o objetivo de incentivar o empreendedorismo, fomentar a inovação e facilitar a auto-gestão de carreiras artísticas. A primeira fase já aconteceu de forma remota, de 21 de julho a 28 de agosto, com todos os finalistas. A segunda fase do Programa, agora em formato híbrido, acontece de 11 de outubro a 30 de novembro.

“O FUC Reverbera busca dar um apoio para que os artistas de nossa região possam, de maneira empreendedora, constituir uma carreira a partir de Ponta Grossa”, explica o reitor da UEPG. Sanches destaca a relevância do incentivo à cultura e à arte nos Campos Gerais. “Sim, é possível fazer arte nacional e internacional a partir das experiências que vivemos a partir da nossa região”, garante.

A repercussão do programa tem sido positiva, segundo a coordenadora do FUC. “Os músicos estão vindo até nós para agradecer a oportunidade de produto que estamos oferecendo para os finalistas”, conta Sandra. “Eles disseram que estão se sentindo valorizados e que conseguem vislumbrar um mercado nacional”. (Com assessoria)


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

19 de outubro de 2021

SME realiza chamada escolar para o ano letivo de 2022

Divulgação

19 de outubro de 2021

“Avança Campos Gerais” deve melhorar ambiente de negócios na região

Divulgação

19 de outubro de 2021

Deputados cobram da ANTT a publicação de documentos sobre o novo pedágio

Arquivo

19 de outubro de 2021

CCR RodoNorte chega a quase 60 mil atendimentos realizados em 2021

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

28 de setembro de 2020

Ponta Grossa tem 456 candidatos a vereador em 2020; Confira a lista