6 de junho de 2024

Humai-UEPG realiza cirurgia cardíaca inédita

Divulgação

Pela primeira vez, o Hospital Universitário Materno-Infantil da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Humai-UEPG) realizou uma cirurgia cardíaca de alta complexidade.

Pericardiectomia. O nome é difícil, mas o significado é importante. Pela primeira vez, o Hospital Universitário Materno-Infantil da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Humai-UEPG) realizou uma cirurgia cardíaca de alta complexidade.

Para a diretora geral dos Hospitais Universitários da UEPG, professora Fabiana Postiglioni Mansani, a cirurgia cardíaca realizada deu um start importante na especialidade, pois até então sempre foi necessário a transferência dos pacientes para hospitais de maior complexidade, e os pacientes da região permaneciam na lista de espera de leitos junto à regulação do Estado.

“Nos últimos quatro anos, após a UEPG assumir a gestão do Humai, é crescente o aumento tanto do número quanto da complexidade de cirurgias realizadas neste Hospital. Um avanço importante para a assistência na pediatria, o que sempre foi um vazio assistencial para abranger os municípios da 3ª Regional de Saúde. A gestão dos HUs-UEPG está constantemente aprimorando suas formas de credenciamento para que os pacientes sejam atendidos com mais qualidade”, completa a professora Fabiana.

Mas e a pericardiectomia? De acordo com o Marcelo Ferraz de Freitas, cirurgião cardiovascular responsável pelo procedimento, é uma intervenção realizada quando a membrana que envolve o coração, o pericárdio, desenvolve uma reação inflamatória e cicatricial que a torna espessada, endurecida e pouco complacente. “Isso causa uma espécie de encarceramento do coração, comprometendo o enchimento adequado de sangue e consequentemente prejudicando o adequado funcionamento cardíaco. Esse prejuízo se reflete em falta de ar e cansaço aos menores esforços, podendo causar insuficiência cardíaca e em casos mais severos, morte por baixo débito cardíaco”, completa.

Além da complexidade da cirurgia, pois é necessária a abertura do tórax do paciente já debilitado, o médico Marcelo de Freitas explica que o pericárdio doente está extremamente aderido ao coração, exigindo uma dissecção delicada e cuidadosa para não lesar o coração e demais estruturas importantes, como veias, artérias e nervos da cavidade torácica. “Seria como tirar uma uva de dentro de um bloco de concreto, sem lesar a uva”, comenta. Além disso, esse tipo de cirurgia geralmente exige que o coração seja parado através da circulação extracorpórea, mas não foi isso que aconteceu. “Estudamos detalhadamente como a doença se relacionava com o coração através de exames de ecocardiografia e tomografia, o que nos permitiu realizar a cirurgia com o coração do paciente batendo, em pleno funcionamento”, conta o cirurgião.

“A cirurgia envolveu um time grande de profissionais, pois começa com o devido diagnóstico e planejamento”, ressalta. Ele agradece a toda a equipe envolvida na preparação, realização e recuperação. “Este papel foi desempenhado com mestria pela cardiologista pediátrica, Dra. Renata Bittencourt, e a competente equipe da UTI pediátrica, um time totalmente focado e dedicado em fazer seu melhor. Na minha equipe também atuaram a Dra. Oiadia Nocetti Serman, cirurgiã cardiovascular e o Dr. Márcio Yeda, anestesista. O pós-operatório também contou com a equipe médica, de enfermagem e fisioterapia da UTI Pediátrica, que propiciaram cuidados fundamentais para a plena e rápida recuperação do paciente”, finaliza o médico Marcelo de Freitas. (Com assessoria)


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

21 de junho de 2024

Portos do Paraná vence prêmio nacional de responsabilidade socioambiental

Divulgação

21 de junho de 2024

Cerimônia marca início das obras de cerca de R$ 32 milhões, em regiões da Bacia do Ronda em PG

Divulgação

20 de junho de 2024

Cerimônia marca o lançamento da pedra fundamental da indústria mexicana Cristalpet em PG

Divulgação

20 de junho de 2024

Prefeitura de Ponta Grossa lança livro sobre inovação do Vale dos Trilhos

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Divulgação

8 de outubro de 2018

Conheça os 54 deputados estaduais eleitos no Paraná

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

Divulgação

ORTIGUEIRA

24 de janeiro de 2022

“2022 deve ser um ano de mais vitórias”, afirma Ary Mattos