28 de abril de 2020

Um bom líder, artigo do deputado Requião Filho

Arquivo

“É muito bonito divulgar a adoção de um plano de economia pós COVID-19, ir na imprensa, dar entrevistas e receber crédito de algo que simplesmente não existe. Infelizmente, sinto em dizer, o Governo do Paraná não tem nada a oferecer neste momento”.

No livro “A Arte da Guerra”, de Sun Tzu, um dos preferidos de qualquer líder político, ressalva-se que, caso exista falha dos soldados durante um conflito, a responsabilidade é toda do general, que não soube expressar suas ordens, avaliar as condições ou conduzir seus subordinados à vitória.

Ao longo dos séculos pudemos ver isso na prática, nas mais diversas situações. No Paraná, certamente uma das maiores batalhas dos últimos tempos tem sido esta, que vivemos na atualidade, contra o COVID-19, porém mais uma vez, está sendo terceirizada. Não é de hoje que enfrentamos crises complexas na segurança, na educação e agora também na saúde. Muito embora esta seja muito maior do que todas as anteriores, pois de uma certa forma atinge a todos sem distinção de idade, função ou classe social, é impossível negar a comparação. Pelo menos ao longo dos últimos nove anos, a falta de uma gestão firme e confiável, tem tornado tudo mais difícil para a população paranaense.

O governador Ratinho Junior, por exemplo, ao invés de assumir suas responsabilidades com o Estado, analisando de forma científica e técnica as necessidades dos paranaenses durante a pandemia, resolveu deixar de liderar e ceder às mais variadas pressões. Ora! Quem foi eleito pra governar deve fazê-lo com responsabilidade e sem medo, tomando as decisões necessárias para garantir o bem-estar e a sobrevivência dos cidadãos. Mas aqui, não é bem o que acontece! E com ventos soprando ideias em diferentes direções, o Paraná parece um barquinho de papel solto no oceano, deixando a onda mais forte conduzi-lo por seu destino inesperado.

Enquanto o mundo determina que todos fiquem em casa, aqui no Paraná teremos, de acordo com as últimas manchetes nos jornais, o afrouxamento das medidas. Teremos, na contramão mundial, a determinação de abertura de locais de possíveis aglomerações. Tudo porque as decisões não estão sendo conduzidas conforme se deveria, movidas pela brevidade de soluções efêmeras e inseguras, ao invés de serem firmes, corajosas e protetivas à saúde humana.

Uma atitude que demonstra do líder uma grande falta de estrutura para suportar o peso das responsabilidades e, ao contrário do que orienta o clássico da literatura mencionado no início deste artigo, percebemos que o governador prefere assim delegar todas as suas funções e decisões ao Secretário de Saúde. Ou seja, caso dê errado, o que provavelmente acontecerá, ele irá, também, terceirizar a culpa.

O governador, hoje, está pela segunda vez em isolamento social em razão de suspeita de contaminação pelo coronavírus e parece que nada isso tudo o ensinou. Acontece que, este isolamento, quiçá, esconderijo, é o seu local preferido desde que começou a governar: aparece apenas quando existe uma câmera direcionada para si. É o governo dos likes, dos biscoitos, dos holofotes!

Requião Filho é advogado e deputado estadual do MDB do Paraná.


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

20 de setembro de 2020

Pauliki e Ricardo asseguram compromisso com a UEPG

Divulgação

20 de setembro de 2020

Hussein Bakri declara apoio a Professora Elizabeth

Arquivo/Divulgação

18 de setembro de 2020

Racha no PSL deve dificultar reeleição de Dr. Zeca e Rudolf Polaco

Arquivo

17 de setembro de 2020

Curso de Jornalismo da UEPG é finalista no EXPOCOM Sul

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário