8 de agosto de 2018

TJ arquiva procedimento de sequestro de verbas da Prefeitura de PG

Divulgação

Procurador Geral, Marcus Freitas, avalia que arquivamento dará mais segurança ao planejamento orçamentário do Município.

O Tribunal de Justiça (TJ) do Paraná publicou esta semana a decisão do arquivamento do procedimento de sequestro de verbas da Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, destinado ao pagamento da dívida de precatórios do Município. O arquivamento do processo foi obtido em decorrência da assinatura de um plano de pagamento com o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) e o TJ, que garantiu o parcelamento da dívida de R$ 120 milhões até 2024.

“Já aguardávamos essa decisão, em virtude da aprovação do plano de pagamento. A decisão do presidente da Central de Precatórios de extinção desse procedimento reafirma que não há mais que se falar em sequestro, uma vez que o Município está honrando mensalmente com o pagamento dessa dívida, com parcelas na ordem de R$ 1,3 milhão, debitadas automaticamente no repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM)”, detalha o procurador geral, Marcus Freitas.

Com o procedimento de sequestro em andamento, a Prefeitura de Ponta Grossa poderia ter debitado de suas contas cerca de R$ 30 milhões, um valor que comprometeria o cumprimento da folha de pagamento dos servidores. De acordo com o plano firmado, a Prefeitura deve realizar o pagamento mensal de aproximadamente R$ 1,3 milhão, o que equivale a 2,46% da Receita Corrente Líquida do Município, dentro das possibilidades orçamentárias da Prefeitura. O valor será automaticamente debitado do repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), garantindo o compromisso da administração municipal com a quitação desses valores, mesmo durante as futuras gestões.

Conforme a decisão, “considerando que sequestro de verbas públicas, no âmbito do regime especial de liquidação de precatórios, visa à normalização de situação de atraso na liberação de recursos, conforme art. 103 do ADCT, tem-se que com o plano de pagamento ora estabelecido o procedimento de sequestro em andamento perde sua razão de ser”.

De acordo com a Procuradoria Geral do Município, há cerca de 10 dias foi protocolada no processo uma nova petição pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais, solicitando o procedimento de sequestro dos valores. A decisão afirma que “foi indeferido o pedido de admissão do Sindicato (…) não ostentando, portanto, a qualidade de terceiro interessado. Motivo pelo qual revela-se indevida sua intervenção e, consequentemente, a juntada das sucessivas petições”. A decisão ainda finaliza que “ante o exposto, pela perda de objeto, julga extinto o presente processo”.

“Essa decisão nos dá mais segurança para realizar nosso planejamento orçamentário, sem o risco de ter valores retirados das contas públicas. O sequestro desse valor acabaria inviabilizando nossos maiores compromissos, que são o pagamento do funcionalismo público e a manutenção dos serviços essenciais à população”, destaca Freitas. (Com assessoria)


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

21 de fevereiro de 2019

Muffato anuncia nova loja Max Atacadista com investimento de R$ 40 mi em PG

Divulgação

21 de fevereiro de 2019

Desavesso promove bazar em Ponta Grossa amanhã

Divulgação

21 de fevereiro de 2019

Ratinho Junior garante que proteção à criança é prioridade no Paraná

Divulgação

21 de fevereiro de 2019

Prefeitura de Ponta Grossa amplia investimentos em saúde e educação

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

28 de agosto de 2018

Vaza áudio de secretário de Cida falando sobre dinheiro em troca de apoio

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário