19 de setembro de 2019

Temporais danificam 3.222 casas e afetam 12.227 pessoas

Arquivo

Trabalhadores que tiveram as casas atingidas pelo temporal têm direito a requerer o saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço.

O temporal que atingiu a metade Leste do Paraná na tarde de ontem, 18, afetou 12.227 pessoas e danificou 3.222 residências, mostra o boletim da Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil, atualizado às 12 horas de hoje, 19. As chuvas, granizos e vendavais afetaram 21 municípios da Região Metropolitana de Curitiba, Campos Gerais, Centro e Centro-Sul do Estado.

Até agora, 127 pessoas estão desalojadas e oito desabrigadas. Duas ficaram feridas no Município de Fernades Pinheiro. A cidade mais atingida foi Carambeí (Campos Gerais), onde 1,5 mil casas foram danificadas, afetando 4,5 mil pessoas e deixando oito desabrigadas. Em São José dos Pinhais (RMC) foram 500 casas danificadas e 2 mil pessoas afetadas. Em Curitiba, a tempestade com granizo danificou 300 residências e afetou 1,2 mil pessoas. Contenda contabiliza 350 casas e 1.400 pessoas atigidas.

Segundo a Prefeitura da Capital, foram registradas 52 solicitações de quedas de árvores e galhos grandes. Uma casa ficou destruída em Piraquara e outras 27 danificadas.

A Defesa Civil está acompanhando as ocorrências, mas ainda não precisou fazer algum atendimento emergencial.

COPEL – As chuvas que começaram ontem causaram desligamentos de energia principalmente nas regiões Leste e Centro-Sul do Estado. O Município mais afetado foi Irati. Ontem, por volta das 16h50, 17 mil das quase 24 mil unidades consumidoras (UCs) da cidade ficaram sem energia. Durante a manhã de hoje o número caiu para 1,2 mil unidades e até às 12h eram pouco mais de 900.

Curitiba registrou 50 mil unidades consumidoras sem luz no início da noite de ontem. O número foi reduzido para 20 mil por volta da meia-noite e até o meio-dia eram 3,8 mil unidades ainda sem energia. Os bairros mais atingidos na Capital foram Tatuquara, Caximba, Batel, Cabral, Boa Vista e Santa Cândida.

Em todo o Paraná cerca de 305 mil unidades foram afetadas alternadamente desde às 16h de ontem. Até o final da manhã de hoje eram aproximadamente 30 mil ainda sem energia, a maior parte concentrada nas regiões Leste e Centro-suL (24,5 mil UCs) . As cidades que ainda têm maior número de unidades consumidores sendo restabelecidas são Castro, Carambeí, Teixeira Soares, Palmeira e São João do Triunfo.

Na Região Metropolitana de Curitiba, nesta manhã ainda são 13 mil UCs em vias de ser restabelecidas, a maior parte em Araucária, Contenda, Campo Magro e Rio Negro.

PREVISÃO – De acordo com o Sistema Metereológico do Paraná (Simepar), choveu 34,2 milímetros ontem, com rajadas de vento perto dos 65 km/h na região de Curitiba. Volume que se concentrou por volta das 18 horas, com precipitações de 21,6 milímetros em 15 minutos. Tradicionalmente, o mês de setembro é chuvoso, com média de 130 milímetros de chuva.

Para hoje, a expectativa do Simepar é que as chuvas se repitam na Grande Curitiba – até as 10h30 já havia chovido 10,2 milímetros na região. “A diferença é que serão chuvas espalhadas durante o dia ao invés de concentradas por um período, como nesta quarta. Mas o alerta de temporais segue mantido”, explica Reinaldo Kneib, meteorologista do Simepar. (Com AEN)


Compartilhe



Últimas notícias

Arquivo

27 de maio de 2020

Paraná tem 200 novos casos de Covid-19 e mais três óbitos

Arquivo

27 de maio de 2020

Caminhoneiro de Telêmaco com Covid-19 morre em Paranaguá

Divulgação

27 de maio de 2020

Plauto conquista recursos para nova iluminação em Carambeí

Arquivo

27 de maio de 2020

Ponta Grossa registra quatro novos casos de Covid-19: 66 no total

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário