CASTRO

28 de novembro de 2019

Social divulga Serviço de Acolhimento Família Acolhedora

Divulgação

O Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora de Castro cadastra, avalia, seleciona, capacita e acompanha famílias castrenses que se propõem a receber em suas casas, temporariamente, crianças, adolescentes ou grupos de irmãos em situação de vulnerabilidade que, por ordem judicial, precisam ser afastados de sua família de origem, dando-lhes acolhida e a possibilidade de convivência familiar e comunitária.

A Secretaria Municipal da Família e Desenvolvimento Social de Castro reuniu ontem, 27, no Centro da Juventude Wallace Thadeu de Mello e Silva, representantes de entidades, Ministério Público, equipamentos públicos e famílias para divulgar o Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora.

De acordo com a assistente social da Secretaria, Adriana Halat, a ideia é sensibilizar a comunidade para que multiplique as informações com o objetivo de despertar o interesse de mais famílias para acolherem crianças e adolescentes por meio do serviço. “Queremos que mais pessoas conheçam como funciona o serviço e possam avaliar a possibilidade de ser uma família acolhedora”, disse.

A secretária municipal da Família e Desenvolvimento Social, Ana Carolina Barros, destacou a importância da comunidade. “É muito importante a participação da comunidade, pois buscamos um lar temporário para essas crianças, de forma que elas possam ter o amor e o carinho de uma família acolhedora”, ressaltou.

O Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora de Castro cadastra, avalia, seleciona, capacita e acompanha famílias castrenses que se propõem a receber em suas casas, temporariamente, crianças, adolescentes ou grupos de irmãos em situação de vulnerabilidade que, por ordem judicial, precisam ser afastados de sua família de origem, dando-lhes acolhida e a possibilidade de convivência familiar e comunitária.

Podem se inscrever no serviço maiores de 18 anos com a concordância de todos os membros capazes da família, residir em Castro há mais de dois anos, ter disponibilidade de tempo e demonstrar interesse em oferecer proteção e equilíbrio emocional às crianças ou adolescentes, não ter interesse em adotar e ter parecer favorável psicossocial favorável da equipe técnica.

A família acolhedora, independente de sua condição econômica, recebe subsídio de um salário mínimo durante o período em que ficar responsável pela criança ou adolescente acolhido. (Com assessoria)


Compartilhe



Últimas notícias

Arquivo

10 de dezembro de 2019

Assembleia aprova projetos que alteram Previdência dos servidores estaduais

Divulgação

10 de dezembro de 2019

Ponta Grossa terá voos diários diretos para Congonhas

Divulgação

10 de dezembro de 2019

Seminário sobre futebol feminino reúne especialistas em Brasília

Divulgação

10 de dezembro de 2019

Fiscalização da Receita diminui inadimplência em Ponta Grossa

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário

Divulgação

9 de setembro de 2019

Secretário Superman é socorrido após levar surra