10 de julho de 2019

Ratinho Júnior defende Estados e municípios na Reforma da Previdência

Divulgação

Governador esteve hoje, 10, na Comissão Especial da Reforma da Previdência do Senado Federal, em Brasília, para reforçar a necessidade de que as mudanças na previdência devem valer para todos os entes nacionais.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) defendeu hoje, 10, na Comissão Especial da Reforma da Previdência do Senado Federal, a inclusão de Estados e municípios no texto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que altera as regras de aposentadoria. A matéria tramita na Câmara dos Deputados sem essa condição impositiva, defendida pela maioria dos governadores e prefeitos.

Segundo Ratinho Jr., todos os Estados acumulam problemas previdenciários nas contas públicas. Para ele, retirar outros entes da reforma pode gerar 27 novos problemas para o País. “Pela primeira vez em algumas décadas temos a população consciente da necessidade da Reforma da Previdência, então temos que fazer uma reestruturação geral, não pode ser por partes”.

O objetivo da participação na discussão da Comissão, segundo ele, foi de sensibilizar os senadores a reincluírem o trecho que prevê que as regras adotadas em nível federal sejam replicadas para as demais instâncias do serviço público, visto que esta não é a tendência na Câmara dos Deputados.

“O Paraná não é diferente dos demais Estados. Temos um déficit previdenciário de R$ 8,4 bilhões e previsão para o ano que vem de acrescentar R$ 1 bilhão a mais em gastos com previdência”, afirmou. Ratinho Jr. também disse que no primeiro semestre desse ano se aposentaram dois mil servidores. A média entre policiais era de 800 aposentadorias por ano e passou para 1.200.

O governador do Paraná afirmou que a retomada da economia precisa ser acompanhada de equilíbrio fiscal nos Estados. “Se o Congresso, em especial o Senado, não tomar pé dessa realidade, vamos criar 27 problemas. Alguns governadores vão conseguir resolver o problema, outros não terão força política para resolver. A grande maioria das prefeituras não vai fazer porque ano que vem tem eleições”, afirmou.

Segundo o senador cearense Tasso Jereissati, relator da PEC no Senado, o propósito da reunião, que também contou com a participação dos governadores Eduardo Leite (Rio Grande do Sul) e Wellington Dias (Piauí), foi antecipar a discussão para acelerar o processo de votação, mesmo não esgotado o debate na Câmara dos Deputados. “A grande batalha que vamos ter que nos envolver é a inclusão ou não de Estados e municípios. Minha posição é pela inclusão”, afirmou.

ECONOMIA –Pelos cálculos da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, as 27 unidades da federação deixarão de gastar R$ 81,3 bilhões nos próximos quatro anos e R$ 350,7 bilhões em dez anos caso a nova legislação seja aprovada, com inclusão dos entes no texto final. (Com AEN)


Compartilhe



Últimas notícias

Arquivo

18 de julho de 2019

Com mil imóveis desocupados, Prefeitura de Ponta Grossa gasta R$ 200 mil por mês em locações

Divulgação

18 de julho de 2019

Paraná busca tecnologias e troca de experiências em segurança pública

Divulgação

18 de julho de 2019

Novo portal traz um mapa para atração de investimentos ao Paraná

Divulgação

18 de julho de 2019

Detran estimula soluções inteligentes para a mobilidade urbana

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

28 de agosto de 2018

Vaza áudio de secretário de Cida falando sobre dinheiro em troca de apoio

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário