15 de abril de 2019

Rangel sem sucessor e oposição cogita lançar Wosgrau com filha de Jocelito para Prefeitura de PG

Arquivo

A participação do prefeito no pleito será para ‘cumprir tabela’ e não deixar Márcio Pauliki vencer a eleição, mesmo que para isso tenha de se aliar com os ‘canhotas’.

Opositores ao prefeito Marcelo Rangel, afilhado político do ex-governador Beto Richa (ambos do PSDB), conversaram recentemente com o ex-prefeito Pedro Wosgrau Filho sobre um possível retorno à política. O ex-prefeito seria candidato com o apoio de lideranças como o ex-deputado Márcio Pauliki (SD), o deputado estadual Plauto Miró (DEM) e o radialista e apresentador de televisão, ex-deputado e ex-prefeito Jocelito Canto, que emplacaria a sua filha mais nova, Joce (PSC), como vice.

Wosgrau está filiado ao PP que reúne lideranças como o ex-secretário de Estado João Carlos Gomes, o vereador Valter de Souza – “Valtão”, e deve contar em breve em seus quadros também com o vereador Pietro Arnaud (atualmente na Rede). O ex-prefeito já derrotou Sandro Alex na disputa pela Prefeitura em 2008.

A oposição busca uma alternativa caso Pauliki não saia candidato e enxerga um ‘momento ímpar’ para vencer a disputa pela Prefeitura de Ponta Grossa uma vez que Rangel não tem um sucessor. A sua participação no pleito será para ‘cumprir tabela’ e não deixar Pauliki vencer a eleição, mesmo que para isso tenha de se aliar com os ‘canhotas’.

A vice-prefeita Elizabeth Schmidt (sem partido) seria o nome mais viável para suceder Rangel. Mas ela já viu que o jogo dos manos Oliveira (Rangel e Sandro Alex) não é pra valer. E mesmo sendo viável, dos nomes que se apresentam para a disputa, é o mais fraco.

Caso ela não tope, os manos cogitam alternativas como o presidente da Câmara, Daniel Milla (PV), ‘best friend’ do prefeito, Celso Sant’Anna, secretário de Planejamento e parceiro de todas as horas de Rangel, ou até o jovem Marcus Freitas, diretor jurídico da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA). Todos franzinos eleitoralmente.

GOVERNADOR INSATISFEITO –Fontes do Palácio Iguaçu confirmam que sem uma candidatura viável, o governador Ratinho Junior (PSD) ficaria neutro, pelo menos no primeiro turno, e liberaria Jocelito, que trabalha na Rede Massa de sua família, para apoiar quem ele escolher.

Quando se trata de 2020, o governador não estaria satisfeito com o projeto de oligarquia familiar dos manos e trabalha para ampliar a sua base na cidade. Prova disso é que a deputada estadual Mabel Canto (PSC) caminha com as próprias pernas e com desenvoltura junto ao governo do Estado e Pauliki é recebido por secretários de Estado com mais presteza de quando era deputado, mantendo um estreito relacionamento com o chefe da Casa Civil, Guto Silva.

Ponta Grossa é uma das principais cidades do Estado e Ratinho Jr. não aceita que a cidade volte a cair nas mãos da esquerda. Só os manos, que possuem um histórico de apoio ao PT, que acreditam nessa possibilidade.

Ao deixar a Prefeitura, sem fazer sucessor, os manos Oliveira perdem força, e o projeto de Rangel assumir a Secretaria de Infraestrutura e Logística no lugar do irmão, que retornaria ao mandato para ser candidato a deputado estadual em 2022, se preparando para disputar a Prefeitura em 2024, não deve prosperar.


Compartilhe



Últimas notícias

Arquivo

26 de junho de 2019

Em fim de mandato, Rangel promete deixar licitado asfalto em 90% das ruas de PG

Divulgação

CASTRO

26 de junho de 2019

Curso prepara lideranças comunitárias

Divulgação

26 de junho de 2019

Erva-mate pode impulsionar economia no Vale do Iguaçu

Divulgação

26 de junho de 2019

É preciso uma reforma que corrija distorções, diz Aliel

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

28 de agosto de 2018

Vaza áudio de secretário de Cida falando sobre dinheiro em troca de apoio

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário