29 de novembro de 2019

Rangel presta depoimento sobre funcionários fantasmas da Assembleia

Arquivo

Segundo as investigações do Ministério Público do Paraná, os funcionários fantasmas do PPS teriam causado um prejuízo de R$ 3,7 milhões aos cofres do Estado entre janeiro de 2009 e 2013 – período em que o atual prefeito de Ponta Grossa era deputado estadual pelo partido.

O prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel (PSDB), prestou depoimento ontem no final da tarde, no Fórum da cidade, sobre o caso dos funcionários fantasmas na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP). O interrogatório foi solicitado pelo Fórum de Curitiba, que há quatro anos apura denúncias de um esquema onde funcionários da Alep teriam sido usados supostamente para atividades externas do Cidadania (Cida), antigo Partido Popular Socialista (PPS), do qual o prefeito fazia parte.

Segundo as investigações do Ministério Público do Paraná (MP-PR), os funcionários fantasmas do PPS teriam causado um prejuízo de R$ 3,7 milhões aos cofres do Estado entre janeiro de 2009 e 2013 – período em que o atual prefeito de Ponta Grossa era deputado estadual pelo partido.

Rangel foi ouvido pela juíza de Curitiba, Patrícia de Almeida Gomes Bergonse, através de videoconferência. A juíza está com o processo desde a denúncia inicial do MP e, em novembro de 2016, determinou o bloqueio de R$ 215.864,08 em bens de Rangel. Também tiveram os bens bloqueados os ex-deputados Cesar Silvestre Filho (R$ 381.806,41), João Douglas Fabrício (R$ 658.064,39) e o diretório do PPS em Curitiba (R$1.255.735,42).

Conforme auditoria do MP, os três parlamentares supostamente teriam desviado R$ 3,7 milhões por meio de funcionários que não compareciam na Assembleia. A investigação da Promotoria apontou que “todos os servidores fantasmas eram filiados ou militantes do PPS, sendo membros do Diretório Estadual ou Delegados”, e que “os referidos servidores públicos, conforme respectivas especificações (…) laboravam fora da Assembleia Legislativa, comparecendo nela poucas vezes ou nenhuma vez, sem controle de ponto, horário fixo, caracterizando-se como ‘servidores fantasmas’; todos, sem exceção, trabalhavam na sede municipal do PPS, realizando atribuições de interesse do referido partido político”.

Ao longo do processo, os réus alegaram que seria impossível separar o trabalho na Alep dos trabalhos do partido e negaram as irregularidades. O processo está em fase final e, após a coleta de depoimentos deve ser encaminhado para sentença.


Compartilhe



Últimas notícias

Arquivo

10 de dezembro de 2019

Assembleia aprova projetos que alteram Previdência dos servidores estaduais

Divulgação

10 de dezembro de 2019

Ponta Grossa terá voos diários diretos para Congonhas

Divulgação

10 de dezembro de 2019

Seminário sobre futebol feminino reúne especialistas em Brasília

Divulgação

10 de dezembro de 2019

Fiscalização da Receita diminui inadimplência em Ponta Grossa

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário

Divulgação

9 de setembro de 2019

Secretário Superman é socorrido após levar surra