15 de julho de 2019

Rangel intimida vereadores a aprovar Fundo de Transporte, denuncia Kalinoski

Arquivo

Na última semana, após ouvir o prefeito Marcelo Rangel e vereadores sobre a proposta, a Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa (ACIPG) se posicionou contra a aprovação do projeto, apontando que “mesmo que aprovado o fundo, a Prefeitura não teria acesso aos custos dos insumos do transporte coletivo, de forma que a ‘caixa preta’ seria aberta apenas em partes, se manifestando pela inviabilidade de transparência total, almejada no projeto de lei”.

O vereador Eduardo Kalinoski, ex-integrante do primeiro escalão do mandato anterior e correligionário do prefeito Marcelo Rangel (ambos do PSDB), denuncia que o presidente local do partido, vereador Felipe Passos, o alertou sobre o que considera uma tentativa de intimidação. Passos enviou para conhecimento de Kalinoski uma notificação do PSDB, entregue à ele na última quarta-feira, 10, durante a sessão por um assessor do gabinete do prefeito, requerendo esclarecimentos sobre a análise e posicionamento sobre o projeto de lei 211/2019, que cria o Fundo Municipal de Transporte Coletivo Urbano do Município de Ponta Grossa, reapresentado pelo Poder Executivo após ter sido rejeitado no final do mês passado e que integra a Ordem do Dia da sessão da Câmara Municipal de hoje, 15. “Tendo em vista o interesse público e as diretrizes do partido”, justifica a notificação, que cita ainda artigo que dispõe sobre as infrações à ética partidária em votar contra matéria em que haja fechamento de questão, do Código de Ética e Disciplina do PSDB.

O documento, segundo relatou Passos a Kalinoski, veio pronto e com o pedido do assessor do prefeito para que o vereador presidente local do PSDB assinasse. “O Felipe me mostrou porque achou uma sacanagem e não tem essa intenção. Não é coisa dele, me mandou para conhecimento. Veio de um assessor do prefeito, que nem é filiado ao PSDB em horário de expediente”, relatou Kalinoski a conversa que manteve com Passos neste final de semana.

Kalinoski se absteve na votação do projeto no final do mês passado e o seu voto foi decisivo para que a matéria fosse rejeitada. O vereador também informa que não houve convocação do diretório municipal do partido para deliberar sobre um posicionamento do partido. “Deve ter algum objetivo por trás disso. Nunca o partido interviu em nenhuma votação. Eu acho que é uma tentativa de intimidação”, denuncia o vereador.

Felipe Passos, ouvido pela reportagem, em um primeiro momento negou ter recebido o documento, após ser confrontado com as informações repassadas por Kalinoski, admitiu. “Foi recebido do assessor do prefeito, alguém pediu para ele levar pra mim. A princípio foi o jurídico da estadual que pediu”, informou Passos, não sabendo informar se foi a pedido do prefeito e nem se o assessor é filiado ao partido. Passos conta que se recusou a assinar porque o partido não havia deliberado sobre o assunto.

APELO –Nas redes sociais, hoje pela manhã, o prefeito Marcelo Rangel publicou um apelo para que os seus seguidores acompanhassem o posicionamento do seu vereador na votação do projeto, defendendo que a medida irá assegurar maior transparência dos custos do transporte coletivo, argumento que é contestado pela oposição ao governo, que defende que o Município possui acesso à todos os dados do transporte coletivo. “ATENÇÃO. Hoje na Câmara, votação da Transparência TOTAL. Votação do fundo do transporte. Acompanhe seu vereador”, escreveu o prefeito.

A Comissão de Legislação, Justiça e Redação (CLJR) deu parecer contrário a aprovação do projeto devido a matéria rejeitada somente pode ser reapresentada após um ano. Com a retirada das alterações na Lei 7.018/2002 do transporte coletivo, que tratava de recursos de publicidade, a proposta precisa de maioria absoluta (12 votos) para ser aprovada.

ACIPG CONTRA – Na última semana, após ouvir o prefeito Marcelo Rangel e vereadores sobre a proposta, a Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa (ACIPG) se posicionou contra a aprovação do projeto. O diretor de Micro e Pequena Empresa da ACIPG e contador, Juliano Kobellache, apontou que mesmo que aprovado o fundo, a Prefeitura não teria acesso aos custos dos insumos do transporte coletivo, de forma que a ‘caixa preta’ seria aberta apenas em partes, se manifestando pela inviabilidade de transparência total, almejada no projeto de lei. “Não consigo imaginar a eficiência desta transparência só com dois pontos que compõem o Índice de Passageiro por Quilometro (IPK), que é a venda de passagens e a quantidade de passageiros, pois os insumos, como o diesel, pneus, carcaças, a depreciação e a mão de obra não serão contabilizadas através deste sistema. A empresa continuará com seu sistema financeiro o fechado e a de se respeitar os limites de invasão desta informação. Assumir o ônus desta gestão não vai dar mais transparência”, disse Kobellache, que recebeu o apoio dos demais diretores da entidade.


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

20 de setembro de 2019

Banco de Projetos do Paraná avalia primeiras propostas

Divulgação

19 de setembro de 2019

Moacyr assina ordem de serviço para nova rodoviária

Divulgação

19 de setembro de 2019

Mostra ‘Eliseu Lacerda’ conta história através do cinema

Arquivo

19 de setembro de 2019

Temporais danificam 3.222 casas e afetam 12.227 pessoas

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário

Divulgação

9 de setembro de 2019

Secretário Superman é socorrido após levar surra