29 de abril de 2020

Rangel diz que realização de cultos e missas para mais de dez pessoas é “risco muito grande”

Arquivo

Segundo o prefeito Marcelo Rangel, o paciente é do sexo masculino, 55 anos, testou positivo para a Covid-19 no último dia 20 de junho e tinha câncer pulmonar como comorbidade.

No rádio, hoje pela manhã, 29, o prefeito Marcelo Rangel (PSDB), revelou que na reunião realizada ontem, 28, com a promotora Fernanda Basso Silvério, da 11ª Promotoria de Justiça da Comarca de Ponta Grossa – Proteção ao Idoso e à Saúde Pública, não se chegou a um acordo para a reabertura de igrejas e condomínios, conforme previsto no Decreto 17.258/2020, da última quarta-feira, 22. “Não chegamos a um denominador comum sobre os condomínios e as igrejas. O Ministério Público, que atende e protege a questão da saúde, não concordou com algumas determinações que gostaríamos de adotar. A Promotoria está no direito de contestar”, informou Rangel.

Segundo o prefeito, a intenção era liberar as piscinas dos condomínios. “Não foi liberado, não entramos em acordo”, contou Rangel.

IGREJAS – A promotora também vetou a reabertura das igrejas. “As igrejas também estamos com um problema bem sério, porque fazer um culto ou uma missa para cinco a dez pessoas, não faz sentido. Mais que dez pessoas, o risco passa a ficar muito grande. Algumas pessoas falam em fazer distanciamento de dois metros, mas as pessoas vão entrar e sair pelo mesmo lugar. Então mesmo tendo espaçamento, ainda tem aglomeração, porque são muitas pessoas. Não entramos em um acordo com o Ministério Público ontem sobre as igrejas”, informou Rangel.

Segundo o prefeito, o projeto para reabertura dos condomínios e as igrejas será reformulado e reapresentado nos próximos dias ao MP. “Estamos fazendo um novo projeto para que seja avaliado. No momento que o Ministério Público se sentir seguro de que a gente pode avançar, teremos a liberação. Estamos trabalhando hoje e amanhã até a gente conseguir dar mais passos”, concluiu Rangel, que vem sendo pressionado para a reabertura das igrejas pela bancada evangélica na Câmara Municipal, entre eles o seu líder de Governo, vereador Vinícius Camargo (PSD), que é membro da Igreja Cristã Presbiteriana (ICP).

AGLOMERAÇÃO – De acordo com o MP, não há critérios suficientes para garantir o distanciamento social e evitar a aglomeração de pessoas nesses ambientes. No caso das áreas comuns dos condomínios, tratam-se de espaços de difícil fiscalização, com grande circulação de pessoas, sem a distância segura de 1,5 metros, muitas vezes devido ao espaço físico do local.

O documento também destaca a impossibilidade de controle e fiscalização em celebrações religiosas, especialmente quanto acesso a estes locais pela população considerada de risco, como aqueles maiores de 60 anos ou com comorbidades, como portadores de cardiopatias, hipertensão e diabetes, por exemplo. Em caso de celebrações com comunhão, a higienização com álcool em gel seria insatisfatória, representando um rito religioso com potencial disseminador do vírus.


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

20 de setembro de 2020

Pauliki e Ricardo asseguram compromisso com a UEPG

Divulgação

20 de setembro de 2020

Hussein Bakri declara apoio a Professora Elizabeth

Arquivo/Divulgação

18 de setembro de 2020

Racha no PSL deve dificultar reeleição de Dr. Zeca e Rudolf Polaco

Arquivo

17 de setembro de 2020

Curso de Jornalismo da UEPG é finalista no EXPOCOM Sul

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário