14 de novembro de 2019

Promotoria de Justiça de Tibagi emite recomendação para que Câmara se abstenha de fazer pagamentos indevidos a servidores

Divulgação

O Ministério Público do Paraná investiga a atuação de organização criminosa com a participação de agentes públicos em fraudes a licitações no Município.

O Ministério Público do Paraná, por meio da Promotoria de Justiça de Tibagi, nos Campos Gerais, emitiu ontem, 12, recomendação administrativa dirigida ao presidente da Câmara de Vereadores para que o Legislativo Municipal se abstenha de fazer pagamentos irregulares a servidores da Casa.

O documento leva em conta a recente aprovação da Lei Municipal 2.774/2019, em 7 de novembro, que dispõe sobre o novo regime jurídico dos servidores da Câmara Municipal. A lei, conforme o MPPR, tem como irregularidade a previsão de pagamento de adicionais de insalubridade, periculosidade e noturno, embora nenhum funcionário do Legislativo exerça função que justifique esses adicionais.

A recomendação estabelece prazo de 15 dias para que o destinatário informe as medidas adotadas para seu cumprimento. (Com assessoria)


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

30 de setembro de 2020

Aliel entrega veículos para APAE e Asilo de Imbituva

Divulgação

30 de setembro de 2020

Elizabeth vai ampliar programas de qualificação e geração de empregos

Arquivo

30 de setembro de 2020

SindServ aponta falta de diálogo sobre dívida trabalhista do Município em apresentação de contas públicas

Divulgação

30 de setembro de 2020

Pauliki quer explorar o potencial turístico de PG

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário