17 de abril de 2019

Presidente da Câmara de Castro tem bens bloqueados por suspeita de fraude em licitação

Arquivo

A decisão liminar atende um pedido da ONG Vigilantes da Gestão Pública, apontando que o Legislativo Municipal contratou a União de Câmaras, Vereadores e Gestores Públicos do Paraná (UVEPAR), através de dispensa de licitação, para a prestação de serviços de capacitação e treinamento, mas que a modalidade não é aplicável neste caso.

A presidente da Câmara Municipal de Castro, Maria de Fátima Barth Antão (MDB), teve os bens bloqueados, no valor de R$ 49.000,00, pelo juiz Rodrigo Yabagata Endo, da Vara da Fazenda Pública de Castro. A decisão liminar proferida ontem atende um pedido da ONG Vigilantes da Gestão Pública, que impetrou Ação Civil Pública apontando que o Legislativo Municipal contratou a União de Câmaras, Vereadores e Gestores Públicos do Paraná (UVEPAR), através de dispensa de licitação, para a prestação de serviços de capacitação e treinamento (contrato 03/19), durante o período de 08 de fevereiro a 07 de junho deste ano, no valor de 49.000,00, mas que a modalidade não é aplicável neste caso.

O magistrado também determinou a suspensão do contrato. Os Vigilantes da Gestão Pública pedem na ação a anulação do processo e contrato e a condenação da presidente da Câmara ao pagamento do valor integral do contrato e danos morais.

Entre as irregularidades apontadas na ação, estão os orçamentos que validaram a contratação da UVEPAR por meio de dispensa de licitação, com datas anteriores à solicitação da contratação do serviço, um dos documentos de 2017. “Com efeito, extrai-se, a priori, que a ré sequer realizou a cotação de preços para a posterior contratação. Não bastasse isso, considerando as propostas juntadas denota-se que a empresa ré UVEPAR não é a única que presta os serviços objeto do processo licitatório (dispensa) n. 003/2019, isto é, existiam empresas com capacitação semelhante. Conforme um dos requisitos legais supracitados, caberia a parte ré a realização de procedimento licitatório”, apontou o juiz na decisão.

Para juiz Rodrigo Yabagata Endo “mostra-se evidente o perigo de dano ou resultado útil do processo, considerando que a manutenção de contrato, a priori, irregular prestigiará o enriquecimento ilícito da ré UVEPAR e o dano ao patrimônio público”.

A ONG Vigilantes da Gestão Pública possui sede em Curitiba e o presidente da entidade diz que recebe denúncias de ‘vigilantes secretos’ em todo o país. “O objetivo da ação é coibir possíveis contratos ilegais feitos com mecanismos não adequados. A UVEPAR é uma ONG de vereadores. Não tem o fito de prestação de serviços e nem pode emitir nota fiscal. E o que parece estar acontecendo é uma terceirização indireta de técnicos da organização ou terceiros e se valendo de ser uma ONG de vereadores é contratada sem licitação. E a regra legal é licitar”, denuncia Carvalho.

O BLOG DO JOHNNY não conseguiu contato com a presidente da Câmara Municipal sobre a decisão.

CONFIRA A ÍNTEGRA DA DECISÃO:


UVEPAR assegura regularidade na contratação

Em nota, a UVEPAR esclareceu a “plena regularidade da sua contratação” pela Câmara Municipal de Castro. “Diante da natureza jurídica da nossa associação, pelo teor do seu estatuto e com amparo na Lei de Licitações”, afirma o documento assinado pela diretoria da União de Câmaras, Vereadores e Gestores Públicos do Paraná.

A entidade critica a decisão proferida sem a sua manifestação no processo. “Referida forma de contratação é algo muito comum em diversos órgãos públicos e a decisão liminar que suspendeu o contrato, de 16/04/2019, foi proferida sem a manifestação da Câmara Municipal e da própria UVEPAR”.

A nota conclui afirmando que “irá demonstrar a regularidade da sua contratação e confia em que brevemente poderá dar continuidade aos treinamentos que estão sendo realizados em favor dos integrantes do Poder Legislativo Castrense”.

CONFIRA A ÍNTEGRA DA NOTA DA UVEPAR:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A UVEPAR – União de Câmaras, Vereadores e Gestores Públicos do Paraná vem esclarecer quanto a plena regularidade da sua contratação por parte da Câmara Municipal de Vereadores de Castro/PR relativa a prestação de serviços de capacitação e treinamento aos seus integrantes, diante da natureza jurídica da nossa associação, pelo teor do seu estatuto e com amparo na Lei de Licitações.

Referida forma de contratação é algo muito comum em diversos órgãos públicos e a decisão liminar que suspendeu o contrato, de 16/04/2019, foi proferida sem a manifestação da Câmara Municipal e da própria UVEPAR.

A UVEPAR, que neste 2019 está completando 30 (trinta) anos de serviços em prol dos Vereadores e das Câmaras Municipais, e que nos últimos anos tem primado pelos Princípios da Eficiência e da Transparência da Administração Pública, irá demonstrar a regularidade da sua contratação e confia em que brevemente poderá dar continuidade aos treinamentos que estão sendo realizados em favor dos integrantes do Poder Legislativo Castrense.

Diretoria da UVEPAR

Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

22 de fevereiro de 2024

Trote Solidário arrecada 1.500 kg de alimentos em PG

Divulgação

22 de fevereiro de 2024

AMCG reúne lideranças e debate novos investimentos para os Campos Gerais

Divulgação

22 de fevereiro de 2024

Elizabeth nomeia Priscila Degraf para a presidência da Fundação Municipal de Saúde

Divulgação

22 de fevereiro de 2024

Prefeitura de Tibagi finaliza capacitações para mais 57 alunos

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Divulgação

8 de outubro de 2018

Conheça os 54 deputados estaduais eleitos no Paraná

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

Divulgação

ORTIGUEIRA

24 de janeiro de 2022

“2022 deve ser um ano de mais vitórias”, afirma Ary Mattos