11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

Rangel inicia o seu segundo mandato na Prefeitura de Ponta Grossa com sérias dificuldades financeiras. Desde o fim da campanha eleitoral em outubro do ano passado, quando Ponta Grossa foi transformada em um grande canteiro de obras nunca antes visto, pararam os serviços e as obras

Todo trabalhador tem direito a férias, inclusive o prefeito. Marcelo Rangel (PPS) cumpriu o disposto na Lei Orgânica do Município (LOM) e requereu à Câmara Municipal autorização para ausentar-se do país de 17 a 31 de janeiro, o que foi aprovado por unanimidade no último dia 1º. Ele fará um cruzeiro pelas águas do Oeste do Caribe a bordo do maior navio do mundo, o Harmony of the Seas. Rangel inicia o seu segundo mandato na Prefeitura de Ponta Grossa com sérias dificuldades financeiras. Fornecedores sem pagamento, telefone e internet cortados, salários atrasados, comprometendo serviços essenciais à população devido à má-gestão do mandato anterior. A cidade está abandonada. Desde o fim da campanha eleitoral em outubro do ano passado, quando Ponta Grossa foi transformada em um grande canteiro de obras nunca antes visto, pararam os serviços e as obras, situação que só se agrava com as chuvas. As ruas no centro e nos bairros parecem uma peneira de tantos buracos, crateras se abrindo no centro da cidade, os bairros completamente abandonados enfrentando problemas com enxurradas e as praças tomadas pelo mato. E Rangel só sabe fazer novas promessas e tirar selfies, deixando sem solução os graves problemas da cidade. Não houveram mudanças no secretariado, com as exceções de Roberto Pelissari na Autarquia Municipal de Trânsito e Transportes (AMTT), e o corretor de imóveis Marco Macedo na Fundação Municipal de Esportes. Alguns secretários que não cumpriram com a sua função a contento foram apenas remanejados. A reforma administrativa prometida deverá extinguir apenas uma secretaria (Gestão de Recursos Humanos), duas fundações (Turismo e TV Educativa) e uma autarquia (Agência Reguladora de Águas e Saneamento Básico de Ponta Grossa - ARAS), mantendo pastas de menor relevância, como Governo e Agência de Fomento Econômico de Ponta Grossa (AFEPON). Os cargos em comissão que somente seriam recontratados a partir do mês que vem, estão aos poucos sendo preenchidos. Rangel manteve o tio Ricardo Linhares como secretário municipal de Administração, que irá incorporar os Recursos Humanos, e nomeou a esposa, Simone Kaminski de Oliveira, como secretária municipal de Assistência Social. A vice Elizabeth Schmidt (PSB) tem se revelado 'peça decorativa', figura constante nas colunas sociais. Não conseguiu emplacar a Assistência Social e não mostrou para o que veio. Tem como conselheiro político o seu filho mais novo, o 'mimado' Rodrigo Schmidt, que faz de tudo para participar do grupo mais próximo ao prefeito, mas que não consegue manter a boca fechada e, por esse motivo, é desprezado. As perspectivas são que o segundo mandato do prefeito Marcelo Rangel seja pior do que o primeiro.

Compartilhe



Últimas notícias

Arquivo

14 de novembro de 2019

Assembleia amplia transparência e publicará tudo no Portal

Divulgação

14 de novembro de 2019

Promotoria de Justiça de Tibagi emite recomendação para que Câmara se abstenha de fazer pagamentos indevidos a servidores

Divulgação

14 de novembro de 2019

Provas do PSS da UEPG acontecem neste domingo

Divulgacão

14 de novembro de 2019

Castro recebe show gratuito da Banda Klezmorim amanhã

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário

Divulgação

9 de setembro de 2019

Secretário Superman é socorrido após levar surra