8 de março de 2017

Prefeitura pede autorização da Câmara para parcelar dívida de R$ 6,3 mi com a Copel

Arquivo

Na sessão da Câmara ontem, 22, o vereador denunciou que sede da Secretaria Municipal de Meio Ambiente está há dois dias sem energia elétrica enquanto Município licita R$ 800 mil para comprar tapumes. Ele cobrou que a Prefeitura tenha prioridade nos gastos.

O Poder Executivo enviou para a Câmara Municipal projeto de lei que solicita a autorização para parcelar uma dívida de R$ 6.317.200,25 com a Companhia Paranaense de Ernergia (Copel), referente a faturas de energia elétrica dos prédios públicos em atraso desde o ano passado. A proposta é que a dívida seja parcelada em 60 vezes, acrescido de juro de 1% ao mês, mais a incidência de 2% de multa sobre a parcela paga em atraso. Parcelado, a dívida sobe para R$ 8.863.221,56, valor que será dividido em 60 parcelas de R$ 147.720,36 cada.

O Executivo justifica a falta de pagamento devida a queda de arrecadação em relação ao estimado para a manutenção e cobertura dos custos operacionais dos prédios públicos. “Obrigando a administração municipal a realocar os recursos orçamentários em prol das obrigações com os serviços públicos essenciais”, diz a mensagem do projeto enviado para a Câmara e assinada pelo prefeito Marcelo Rangel (PPS).

Na mensagem, o Executivo ressalta que mesmo com as dificuldades financeiras previstas para este ano, o Município “conseguiu negociar com a Copel um parcelamento dentro das condições de desembolso financeiro mais favorável a nossa cidade, de forma que não comprometa outros serviços e compromissos em comparação com o seu pagamento à vista”.

Ao concluir, a mensagem ressalta que o parcelamento assegura a continuidade do fornecimento de energia elétrica nas escolas, Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs), hospitais, unidades de saúde e demais investimentos nos serviços de iluminação pública do Município. “Permitirá ainda à Municipalidade redimensionar a dívida perante a concessionária para torna-la mais conforme com a atual escassez de recursos decorrente da desaceleração da economia que tem frustrado a execução Orçamentária de diversos Municípios do país”.

O projeto foi lido ontem na Câmara Municipal e tramita em regime de urgência.

A assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal explicou que o atraso não atinge todos os prédios públicos e esclareceu que não existe a cobrança de uma tarifação diferenciada pela Copel ao Município.


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

22 de janeiro de 2021

Paraná assume presidência do Codesul

Divulgação

22 de janeiro de 2021

Unidades de Saúde exclusivas para atendimento de Covid estendem horário

Divulgação

22 de janeiro de 2021

No Paraná, 57,2 mil pessoas já foram vacinadas contra a Covid-19

Divulgação

22 de janeiro de 2021

Prefeitura finaliza imunização dos profissionais da saúde municipal e inicia aplicação nos idosos das ILPIs

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

28 de setembro de 2020

Ponta Grossa tem 456 candidatos a vereador em 2020; Confira a lista