8 de fevereiro de 2019

Portos do Paraná pedem descentralização de arrendamentos

Divulgação

Estado foi o primeiro do Brasil a pedir controle sobre áreas cedidas para exploração portuária. Intenção é dar mais eficiência e celeridade aos processos envolvendo os terminais paranaenses. O arrendamento é um contrato de cessão de área para atividade de terceiros.

O Paraná foi o primeiro estado do Brasil a solicitar a descentralização das atividades relacionadas à exploração dos portos organizados. A intenção é que os arrendamentos das instalações portuárias, que hoje são definidos pela Secretaria Nacional de Portos, sejam controlados via Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa). A mudança, se aceita, dará mais eficiência e celeridade aos processos envolvendo os terminais paranaenses.

O arrendamento é um contrato de cessão de uma área para exploração dentro da atividade portuária. A solicitação para alteração no modelo atual foi feita ontem, 07, em Brasília. “A administração local está mais próxima das empresas, conhece todas as particularidades da região e conta com estrutura organizacional, física e funcional para gerir com segurança e competência a exploração das instalações portuárias”, explica o diretor-presidente da Appa, Luiz Fernando Garcia da Silva.

Segundo ele, a administração paranaense tem todas as condições necessárias para assumir a atribuição – desde a elaboração dos editais e a realização dos procedimentos licitatórios para os arrendamentos, até a gestão dos contratos e a fiscalização da execução dos mesmos.

“Temos a Licença de Operação válida. Tivemos o nosso Plano Mestre atualizado recentemente, assim como o Plano de Desenvolvimento e Zoneamento e o Recinto Alfandegado, que estão em vigência”, disse Garcia. “Além disso, a auditoria para a regularização do ISPS-Code está em fase de licitação. Já aderimos ao Plano de Contas regulatório da Antaq e estamos adimplentes com todas as obrigações estabelecidas no convênio de delegação”, detalha.

O Porto de Paranaguá também já possui um núcleo específico para cuidar dos arrendamentos, com sistema informatizado de gestão dos contratos e relatórios circunstanciados.

RECEITA – De acordo com o diretor-presidente da Appa, outra vantagem da mudança é que os processos licitatórios geram um custo de oportunidade para quem o administra – o BID (traduzido do inglês como lance ou oferta). Com a descentralização, esses recursos, que antes ficavam no Tesouro Geral da União, vão para o caixa da Appa.

Garcia acrescenta que a intenção do Governo do Estado é usar parte destes recursos em melhorias para a população. A Appa já apresentou ao Governo Federal uma proposta de criação de um fundo de compensação que repasse uma parcela da receita arrecada para o desenvolvimento do Litoral do Estado.

“A orientação do governador Ratinho Júnior é criar um fundo nos moldes do que existe hoje na Região Oeste, com a Itaipu. A ideia é destinar 0,5% da receita anual dos Portos do Paraná para o desenvolvimento dos municípios do Litoral, mas, para isso, precisamos que a Secretaria Nacional de Portos modifique o convênio de delegação existente”, destaca Garcia.

De acordo com ele, após essa manifestação inicial junto à Secretaria Nacional de Portos, uma equipe técnica da Appa vai finalizar os estudos para propor oficialmente a alteração. (Com AEN)


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

3 de julho de 2020

Estado e União alinham modelagem do novo Anel de Integração

Divulgação

3 de julho de 2020

Plauto entrega maquinário para Carambeí

Divulgação

3 de julho de 2020

Obras do novo acesso a Castro iniciam em agosto

Divulgação

3 de julho de 2020

Posto Rodoil inaugura em PG na segunda

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário