11 de janeiro de 2020

Plauto discute necessidade de ampliação do programa Caixa D’Água Boa

Divulgação

O deputado se reuniu com o presidente da Sanepar e com o chefe da Casa Civil para levar essa reivindicação da população carente de Ponta Grossa.

O deputado estadual Plauto Miró Guimarães Filho (DEM) reuniu-se na última quinta-feira, 09, com o Chefe da Casa Civil, Guto Silva, e com o presidente da Sanepar, Claudio Stabile, para discutir sobre meios de ampliar o Programa Caixa D’Água Boa.

Lançado em maio de 2019, o programa tem como principal objetivo beneficiar famílias com a doação de “kits” com reservatório de 500 litros, tubulação e base metálica para a sua instalação, melhorando assim a distribuição e o abastecimento de água no perímetro urbano. Cerca de 3.500 famílias, em 134 municípios, já foram beneficiadas.

Para Plauto, a necessidade de ampliação do programa é de extrema importância para a população. “Só em Ponta Grossa, cerca de 120.000 residências possuem ligação com a Sanepar. E 20% delas não possuem caixa d’água. Em dias de manutenção, várias famílias acabam sendo prejudicadas justamente por não possuir o reservatório”, apontou. (Com assessoria)


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

29 de maio de 2020

Prefeitura reduz despesa com pessoal, mas continua acima do Limite Prudencial

Arquivo

29 de maio de 2020

Paraná soma 4.236 diagnósticos de coronavírus e 173 mortes

Arquivo

29 de maio de 2020

Lei moderniza gestão de cargos nas universidades

Divulgação

29 de maio de 2020

Projeto quer trancamento gratuito de matrícula de ensino superior

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário