11 de abril de 2019

Oriovisto vota favorável à CPI da ‘Lava Toga’ na CCJ

Divulgação

O senador é contra o arquivamento, que foi recomendado ontem, 10, pela CCJ, do pedido de criação da Comissão Parlamentar de Inquérito dos Tribunais Superiores.

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado recomendou ontem, 10, o arquivamento do pedido de criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Tribunais Superiores, também conhecida nas redes sociais como CPI da “Lava Toga”.

O colegiado acatou o relatório do senador Rogério Carvalho (PT-SE), que recomendou não levar adiante a criação da CPI. Foram 19 votos favoráveis e sete contrários, transformando o relatório em parecer da Comissão.

O senador Oriovisto Guimarães (PODE) foi um dos integrantes da CCJ que votou contrário ao arquivamento da CPI. “Eu quero dizer que sou totalmente favorável a esta CPI. Acho que está extremamente bem fundamentada. Chega a ser engraçado que se exija tanto um fato determinado quando na verdade se nega a instalação da CPI por uma questão que não está determinada. Qual é o fato que determina que ela deva ser arquivada? Não há, não citam, ou seja, a regra vale para os outros e não para mim mesmo. O que conta é a vontade política e não a lógica”, declarou Oriovisto.

O senador considerou ainda que está mais do que na hora de implantar a Comissão para que os problemas da Justiça brasileira sejam levantados. “Se a CPI não obtém conclusão nenhuma, ela terá chegado a um ponto muito importante, que é levantar o porquê da nossa Justiça ser tão cara, tão demorada e funcionar tão mal. Acho que esse Senado estará deixando de prestar um relevante serviço à nação se esta CPI não for instalada”, apontou.

O requerimento de criação da CPI dos Tribunais Superiores foi apresentado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e obteve 29 assinaturas de apoio. No dia 26 de março, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), decidiu arquivar o pedido com base em pareceres técnicos emitidos pela Consultoria Legislativa e pela Advocacia da Casa, segundo os quais uma parte dos fatos usados para justificar a investigação estava fora dos limites de fiscalização. Logo em seguida, Alcolumbre remeteu sua decisão para análise da CCJ, que decidiu pelo seu desprovimento.

A matéria ainda será apreciada pelo Plenário. (Com assessoria)


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

22 de abril de 2019

Sala do Empreendedor inicia Semana de Regularização Fiscal

Divulgação

22 de abril de 2019

Comissões na Câmara investigam supostos desvio de combustível e superfaturamento em rotatórias de Rangel

Divulgação

22 de abril de 2019

Comissão adia decisão sobre o fim da aposentadoria de ex-governadores

Arquivo

22 de abril de 2019

CCJ analisará amanhã emendas da proposta de reforma administrativa do governo do Estado

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

28 de agosto de 2018

Vaza áudio de secretário de Cida falando sobre dinheiro em troca de apoio

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário