17 de setembro de 2019

“Lutamos por um transporte com mais transparência”, diz Aliel

Arquivo

Parlamentar criticou o aumento dado pela Prefeitura e disse que o reajuste penaliza trabalhadores e empresários.

O deputado federal Aliel Machado (PSB) falou hoje, 17, sobre o aumento da tarifa do transporte público em Ponta Grossa e rebateu a justificativa do Conselho Municipal de Trânsito e Transporte (CMT) de que a tarifa deveria subir além do esperado por conta das liminares na Justiça. Pela manhã o CMT sugeriu um reajuste de R$ 3,80 para R$ 4,40. Já no início da tarde a Prefeitura anunciou que irá aumentar a passagem para R$ 4,30. Aliel é autor da ação que fez com que a Justiça congelasse a análise da tarifa por conta da falta de transparência.

“Não é razoável aceitar um valor sequer próximo a esse. É quase 14% de aumento, o dobro da inflação dos últimos 18 meses, como a Prefeitura tem feito nos últimos anos. E esse argumento de que foram as ações na Justiça que causaram isso é absurdo. A Justiça concedeu a liminar entendendo que havia razão no pedido. E a população não pode ser penalizada por isso. É um desrespeito aos trabalhadores e também aos empresários, que pagam por parte do sistema. Nunca fomos contrários a um aumento justo, mas é preciso se cumprir o contrato e ter mais transparência na análise”, defendeu Aliel.

Por duas oportunidades o parlamentar entrou com ações na Justiça (e obteve liminares nas duas) para que o contrato entre empresa e poder público fosse respeitado. Em 2017 a ação proposta por Aliel conseguiu derrubar o valor da tarifa de R$ 3,70 para R$ 3,20 por 19 dias. O mérito da ação ainda não foi julgado. Assim como também não foi julgado o mérito de outra ação, deste ano, que proibiu a análise do aumento por conta da falta de transparência. A ação citou pontos questionados pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) em visita técnica ao Município no fim de 2018.

“Como tenho dito reiteradas vezes, reconheço o direito da empresa ao reajuste e o dever da Prefeitura em concedê-lo. A crítica, embasada em estudos técnicos, é em relação à forma com que os cálculos que fundamentam esses reajustes estão sendo feitos, a pouca transparência, etc. E com todo o respeito, a ilegalidade já foi atestada por diversas instituições: TCE-PR, MP-PR, CPI na Câmara Municipal, e mais recentemente pelo próprio Poder Judiciário”, disse  Aliel.
De acordo com o deputado, o assunto será novamente levado ao Poder Judiciário para decidir sobre a legalidade ou não do reajuste. (Com assessoria)


Compartilhe



Últimas notícias

Arquivo

18 de outubro de 2019

Maurício Silva se prepara para reassumir mandato

Divulgação

18 de outubro de 2019

Compliance é marca de inovação na administração pública do Estado

Divulgação

18 de outubro de 2019

Castro recebe prêmio em Saúde Bucal

Divulgação

17 de outubro de 2019

Unidade aérea da Polícia Militar tem novo comandante

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário

Divulgação

9 de setembro de 2019

Secretário Superman é socorrido após levar surra