15 de outubro de 2020

Integrar a UEPG para melhorar área da Saúde é proposta do Professor Edson

Arquivo

O estreitamento da relação com a universidade no campo da saúde deve trazer melhora na formação das equipes de atendimento, nas tecnologias utilizadas no conhecimento científico produzido e na qualidade do serviço que a população precisa, prevê o candidato a prefeito do PT.

Para melhorar o setor de Saúde em Ponta Grossa, o Programa de Governo do candidato a prefeito Professor Edson (PT), propõe fazer a integração do curso de Medicina e das demais áreas da saúde da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) com a rede pública.

A intenção é ampliar a residência médica e de equipes multiprofissionais. O projeto prevê que a ação atenda diretamente as principais demandas da cidade. O estreitamento da relação com a universidade no campo da saúde deve trazer melhora na formação das equipes de atendimento, nas tecnologias utilizadas no conhecimento científico produzido e na qualidade do serviço que a população precisa.

Além de uma parceria efetiva com a UEPG, Professor Edson também vai fazer com que as secretarias de segurança, educação, assistência social e saúde trabalhem juntas para ações mais efetivas. “Os projetos, orçamentos e equipes serão integrados para uma atuação conjunta. Com isso, é possível melhorar a qualidade de vida da população ao aplicar na rede pública de saúde projetos que dependem também de outros setores”, diz o candidato.

Aumentar o alcance do serviço de saúde à população em vulnerabilidade social, ampliar a rede de saúde mental e as equipes de saúde multidisciplinares, aproximar o conhecimento acadêmico da prática e de um atendimento humanizado com o devido amparo à população são metas da gestão. Isso só é possível graças a essa integração.

Na visão do Professor Edson, com a pandemia do coronavírus, a crise da saúde pública será o principal desafio enfrentado pela administração que se inicia no próximo ano. O Sistema Único de Saúde (SUS) em Ponta Grossa é responsável por atender os mais de 355 mil habitantes da cidade, bem como os habitantes de cidades vizinhas, que têm a rede como referência. O aumento na demanda por atendimento e o contexto tornam necessário alternativas que evitem sobrecarga da rede, a precarização e dificuldade de acesso ao serviço de saúde. (Com assessoria)


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

19 de outubro de 2020

Mabel Canto vai melhorar estrutura e valorizar a Guarda Municipal

Arquivo

19 de outubro de 2020

Revitalizar e despoluir arroios é prioridade para o Professor Edson

Divulgação

15 de outubro de 2020

Professora Elizabeth irá criar o Centro de Educação Ambiental do Lago de Olarias

Divulgação

15 de outubro de 2020

“O trabalho da mulher sustenta a agricultura familiar”, ressalta Professor Gadini no Dia Internacional da Mulher Rural

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário