26 de julho de 2017

Inocência perdida, artigo de Marcello Richa

Divulgação

“A violência sexual infantil é uma realidade que todos estamos expostos e não podemos nos omitir”

O início da segunda fase da Operação Glasnost, que combate a exploração sexual e o compartilhamento de pornografia infantil na internet, reforça a necessidade de abordarmos o tema da violência sexual contra crianças e adolescentes, infelizmente ainda uma realidade muito presente no país. Dados do Disque 100, serviço de denúncias e proteção contra violações de direitos humanos, mostram que no Brasil acontece pelo menos um caso de violência sexual contra menores a cada quatro horas.

Entre 2012 e 2016 foram registrados mais de 175 mil casos, com 67,7% das vítimas sendo meninas e 16,52% meninos. A faixa etária mais atingida é de 0 a 11 anos (40%), seguido de 12 a 14 anos (30%) e 15 a 17 (20,09%), com a maioria dos agressores sendo homens entre 18 a 40 anos (42%) e em 95% das vezes praticado por pessoas conhecidas das crianças (65% inclusive com participação de familiares). É importante lembrar que esses dados, que já são alarmantes, retratam apenas os casos denunciados.

As formas mais comuns de violência sexual infantil acontecem por meio do abuso e da exploração. O primeiro pode acontecer na forma de assédio, exibicionismo, exposição à pornografia e contato físico, enquanto a exploração visa retorno financeiro pela prostituição, produção de material pornográfico e tráfico sexual de menores.

As consequências psicológicas, físicas e sociais do abuso e exploração sexual de menores são devastadoras e irão acompanhar a vítima ao longo de toda a sua vida, brutalmente retirando o direito de viver plenamente a infância e impedindo o seu desenvolvimento saudável. Para combater esse grave problema social de nosso país precisamos fortalecer e ampliar cada vez mais a rede de prevenção, com uma atuação global que inclui poder público, escolas, famílias, entidades, empresas e sociedade.

Em termos estruturais, a implantação de Centros Especializados de Assistência Social (Creas), fortalecimento de Conselhos Tutelares e criação de delegacias especializadas para crianças e adolescentes, com equipes técnicas que incluam psicólogos e assistentes sociais, são reforços necessários. Em relação à repressão, é preciso melhorar as condições para a investigação de grupos que fomentam, compartilham ou consomem a violência sexual infantil, bem como garantir uma punição severa e condizente com o crime.

Porém, por mais que tenhamos equipamentos e técnicos preparados para atender vítimas, a disseminação de informações continua sendo a principal arma para combater a violência sexual contra crianças e adolescentes. Nesse sentido o papel da família é fundamental, uma vez que são as pessoas que mais convivem com as possíveis vítimas e são capazes de realizar orientações, ouvir suas histórias e identificar mudanças de comportamento que possam revelar indícios de abuso.

A violência sexual infantil é uma realidade que todos estamos expostos e não podemos nos omitir. Denúncias podem ser realizadas com a Polícia Militar por meio do 190, pelo Disque 100 (a ligação é gratuita, anônima, com atendimento 24 horas e funciona em todo o país), delegacias, Ministério Público, Conselho Tutelar e órgãos de assistência social do município. Mais do que um direito constitucional, o desenvolvimento saudável de crianças e adolescentes é uma responsabilidade de todos e uma garantia de futuro melhor para o país.

Marcello Richa é presidente do Instituto Teotônio Vilela do Paraná (ITV-PR)


Compartilhe



Últimas notícias

Arquivo

23 de novembro de 2020

Mabel propõe premiação para empresas incentivadoras de ações culturais

Divulgação

23 de novembro de 2020

Aliel entrega veículo para Comunidade Terapêutica Rosa Mística

Divulgação

23 de novembro de 2020

TRE suspende divulgação de Pesquisa Equação/Arbeit

Divulgação

21 de novembro de 2020

Professora Elizabeth destaca projetos e ações para crianças e jovens

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

28 de setembro de 2020

Ponta Grossa tem 456 candidatos a vereador em 2020; Confira a lista

Divulgação

9 de setembro de 2019

Secretário Superman é socorrido após levar surra