14 de janeiro de 2021

Hussein Bakri destaca aprovação de mudanças que vão aprimorar novo modelo dos Colégios Cívico-Militares

Divulgação

As novas regras foram votadas mesmo em meio ao recesso parlamentar, uma vez que a Secretaria da Educação precisa organizar o início das aulas para o dia 18 de fevereiro.

A Assembleia Legislativa aprovou hoje, 14, o projeto que aprimora a implantação de 199 Colégios Cívico-Militares no Paraná. Além de ampliar a participação de policias da reserva no novo modelo, a proposta adequa alguns dos critérios previstos inicialmente, ao, por exemplo, permitir que as escolas sejam instaladas em cidades com menos de 10 mil habitantes. As novas regras foram votadas mesmo em meio ao recesso parlamentar, uma vez que a Secretaria da Educação precisa organizar o início das aulas para o dia 18 de fevereiro.

“De forma bastante democrática, esse novo modelo será implantado nos locais em que houve a aprovação da comunidade escolar e irá se somar às modalidades já existentes, como o ensino integral, técnico, militar, etc. O objetivo comum a todos eles é seguir elevando o desempenho e o aprendizado educacional no Paraná. Essas adequações que votamos e aprovamos são importantes para garantir que os objetivos do programa sejam atingidos em sua plenitude”, afirmou o deputado Hussein Bakri (PSD), que é Líder do Governo e Presidente da Comissão de Educação da Assembleia.

A nova modalidade de ensino será aplicada em escolas do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental e no Ensino Médio. Os colégios vão contar com aulas adicionais de Português, Matemática e Civismo, que vão permitir aos estudantes o aprofundamento no estudo sobre leis, Constituição Federal, papel dos três poderes, ética, respeito e cidadania. No Ensino Médio, haverá também a adição da disciplina de Educação Financeira.

Além das questões curriculares, outra mudança será a gestão compartilhada entre civis e militares. O diretor-geral e o diretor auxiliar, bem como a ministração das aulas, permanecem sendo de responsabilidade dos professores da rede estadual. O diretor cívico-militar, subordinado ao diretor-geral da instituição, será responsável pela infraestrutura, patrimônio, finanças, segurança, disciplina e atividades cívico-militares. Conforme o tamanho da escola, haverá também de dois a quatro monitores militares. (Com assessoria)


Compartilhe



Últimas notícias

Arquivo

21 de janeiro de 2021

Um governo de continuidade dos bons projetos, ressalta Elizabeth

Divulgação

20 de janeiro de 2021

“Não aceitamos uma licitação viciada”, afirma Romanelli sobre novo pedágio

Arquivo

20 de janeiro de 2021

Hussein Bakri entrega viatura para Guarda e cumpre agenda amanhã em PG

Divulgação

20 de janeiro de 2021

Maribel Krum assume comando da Guarda Civil Municipal

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

28 de setembro de 2020

Ponta Grossa tem 456 candidatos a vereador em 2020; Confira a lista