8 de julho de 2019

Governo retira regime de urgência do projeto da data-base dos servidores

Arquivo

Representantes do Executivo e sindicatos de servidores seguem avaliando alternativas. Proposta enviada para a Assembleia Legislativa estabelece um reajuste de 5,09% com implantação em quatro parcelas. O líder do governo na Assembleia, deputado Hussein Barki, diz que a iniciativa sinaliza a disposição da gestão estadual para o diálogo com os servidores.

O Governo do Estado pediu a retirada do regime de urgência na tramitação do projeto de lei 522/19 que trata da data-base do funcionalismo. A proposta estava tramitando na Assembleia Legislativa desde quarta-feira passada, 03. O Executivo propôs um reajuste de 5,09% para servidores ativos e inativos, divididos em quatro parcelas.

O líder do governo na Assembleia, deputado Hussein Barki, diz que a iniciativa sinaliza a disposição da gestão estadual para o diálogo com os servidores. Ele reforça que há pleno interesse do Estado em manter as negociações abertas até que se encontre um denominador comum.

Bakri destaca que o governo está fazendo todo esforço possível para a concessão da data-base e que Paraná é o único Estado que está discutindo a concessão de reajuste aos servidores neste momento. “O Governo está exercendo o diálogo em sua plenitude. O Governo Ratinho Junior não está sendo omisso com os servidores”, afirma o deputado.

A proposta em tramitação estabelece que 0,5% será pago a partir de outubro deste ano e mais 1,5% a partir de janeiro do ano que vem. Outro 1,5% será aplicado em janeiro de 2021, no caso de a Receita Corrente Líquida (RCL) do ano anterior ter crescido pelo menos 6,5%. O restante (mais 1,5%) incidirá em janeiro de 2022, desde que a receita apresente crescimento mínimo de 7% nos doze meses anteriores.

POSSIBILIDADES – Nesta segunda-feira, 08, o governo e servidores avaliaram vários cenários. O Estado indicou a possibilidade de pagar 2% de reposição em janeiro de 2020. Os sindicatos que representam os servidores querem o índice aplicado em outubro, o que representa uma despesa extra de cerca de R$ 500 milhões com a folha em 2019.

Como a antecipação da reposição teria impacto direto no pagamento do 13º salário deste ano, Governo e servidores vão reanalisar os dados financeiros do Estado ao longo desta semana.

Com a retirada da urgência do projeto, a proposta da data-base do Executivo deverá ser votada na Assembleia Legislativa somente na volta do recesso parlamentar, em agosto. (Com AEN)


Compartilhe



Últimas notícias

Arquivo

14 de novembro de 2019

Assembleia amplia transparência e publicará tudo no Portal

Divulgação

14 de novembro de 2019

Promotoria de Justiça de Tibagi emite recomendação para que Câmara se abstenha de fazer pagamentos indevidos a servidores

Divulgação

14 de novembro de 2019

Provas do PSS da UEPG acontecem neste domingo

Divulgacão

14 de novembro de 2019

Castro recebe show gratuito da Banda Klezmorim amanhã

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário

Divulgação

9 de setembro de 2019

Secretário Superman é socorrido após levar surra