13 de junho de 2018

Gleisi cedeu Barbiero para ser secretário de Cida

Arquivo

A governadora sabia que Barbiero havia atuado na assessoria da senadora Gleisi Hoffmann e das suas estreitas ligações com condenados e investigados do PT quando foi convidado para assumir a Secretaria de Estado do Esporte e do Turismo

A governadora Cida Borghetti (PP) já deu diversas demonstrações públicas dos seus laços fraternais com o PT desde que assumiu o governo do Paraná. Teve o abraço apertado no deputado federal Zeca Dirceu (filho do ex-ministro Zé Dirceu – preso na Operação Lava Jato) em Brasília durante reunião com parte da bancada federal do Paraná – que teve amplo destaque pela Agência Estadual de Notícias; elogios do deputado Tadeu Veneri na Assembleia Legislativa; e mais recentemente nomeou o genro do deputado estadual Péricles de Mello para um cargo na Casa Civil do Governo do Estado. O deputado federal Ricardo Barros (PP), marido de Cida, foi vice-líder dos governos Lula e Dilma na Câmara.

Mas o caso mais emblemático dessa relação foi a cessão do assessor da senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, João Barbiero, para ser secretário de Estado do Esporte e do Turismo, de Cida.

Barbiero atuou por cerca de dois anos na assessoria da petista. No Portal da Transparência do Senado Federal, é possível consultar a folha de rescisão de Barbiero da assessoria de Gleisi no mês de abril.

Barbiero, embora não seja filiado ao PT, possui um histórico de alianças com o partido em Ponta Grossa. Em 2004, após ter sido derrotado como candidato a prefeito no primeiro turno da eleição municipal, apoiou a derrota do ex-prefeito Péricles de Mello (PT) que disputava a reeleição contra o ex-prefeito Pedro Wosgrau Filho (PSDB). Em 2008 apoiou a reeleição de Wosgrau Filho e emplacou o cargo de secretário municipal de Governo, onde manteve estreitas ligações com petistas como o então ministro do Planejamento Paulo Bernardo, Gleisi e o ex-deputado federal André Vargas (preso desde 2015). Em 2012 foi candidato a vice na chapa de Péricles de Mello, derrotados pelo atual prefeito Marcelo Rangel (à época no PPS, hoje no PSDB). Em 2016 assumiu o cargo na assessoria de Gleisi.

Depois que foi vereador por um mandato (2001 a 2004), Barbiero acumula derrotas: prefeito (2004), deputado estadual (2006), vice-prefeito (2012) e deputado federal (2014).

No governo do Estado a sua indicação contou com o apoio do deputado federal Aliel Machado (PSB), eleito pelo PCdoB, que passou pela REDE – os dois partidos ‘puxadinhos do PT’ –, e votou contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Aliel também é ligado à Gleisi e todos os demais petistas companheiros de Barbiero.

O PPS, partido do ex-secretário do Esporte e do Turismo, deputado estadual Douglas Fabrício, não ficou satisfeito de não ter sido consultado sobre a escolha do novo secretário. E isso deve pesar na decisão de apoio do partido à reeleição de Cida ou à pré-candidatura do deputado estadual Ratinho Júnior (PSD) ao Governo.

Informações obtidas pelo BLOG DO JOHNNY confirmam que a governadora Cida Borghetti sabia que Barbiero havia atuado na assessoria da senadora Gleisi Hoffmann e das suas estreitas ligações com condenados e investigados do PT quando foi convidado para assumir a Secretaria de Estado do Esporte e do Turismo.


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

19 de janeiro de 2019

Aliel entrega ambulância para a Saúde de Palmeira

Arquivo

19 de janeiro de 2019

Tribunal de Contas do Estado comprova falhas no transporte coletivo de PG

Divulgação

19 de janeiro de 2019

Secretaria de Estado de Saúde paga prestadores da área de hemodiálise

Divulgação

19 de janeiro de 2019

Estado prepara lei para formalizar reforma administrativa

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

25 de maio de 2017

Justiça nega sigilo de dívida de R$ 4,4 milhões do MM MercadoMóveis ao Município

Arquivo

28 de agosto de 2018

Vaza áudio de secretário de Cida falando sobre dinheiro em troca de apoio

Arquivo

1 de agosto de 2017

Dívida de R$ 4,4 mi do MercadoMóveis daria para construir 250 casas, 4 Unidades de Saúde ou 3 escolas