8 de junho de 2019

Estado vai retomar obras paralisadas em outras gestões

Divulgação

O cronograma para a conclusão será definido por um grupo de trabalho coordenado pela Casa Civil. Relatório identifica 43 grandes obras suspensas, todas com valores acima de R$ 1,5 milhão, como o Corredor Aeroporto-Rodoferroviária, que deveria ter sido entregue na Copa do Mundo de 2014.

O governo do Paraná instituiu um grupo de trabalho para dar andamento às obras de grande porte que foram paralisadas em gestões anteriores. Formado por representantes de várias secretarias e órgãos do Estado e coordenado pela Casa Civil, o grupo será responsável por elaborar um plano de retomada e programar a conclusão das obras.

No levantamento feito pelo governo e entregue ao Tribunal de Contas do Estado no primeiro trimestre deste ano foram identificadas 43 obras paradas, todas com valores superiores a R$ 1,5 milhão. Destas, 30 são de responsabilidade única do Estado e 13 realizadas em parceria com municípios e União.

Entre elas se destacam o Corredor Aeroporto-Rodoferroviária e o corredor da Marechal Floriano Peixoto, em São José dos Pinhais, orçadas em mais de R$ 70 milhões, que deveriam ter sido concluídas na Copa do Mundo de 2014.

“A determinação do governador Carlos Massa Ratinho Junior é que todas sejam concluídas”, afirma o chefe da Casa Civil, Guto Silva. O custo global das 43 obras listadas é de R$ 281,2 milhões – 35,9% já foram desembolsados pelo governo do Estado.

“Já temos 27 obras com previsão de retomada e agora o grupo que formamos vai se concentrar em avaliar a questão orçamentária e jurídica de cada uma e estabelecer um cronograma de trabalho para a conclusão”, acrescenta.

Outra missão será ampliar o relatório preliminar, que se concentrou apenas em obras acima de R$ 1,5 milhão. “O governo quer ter uma visão real de tudo que está parado, conhecer a situação de cada um desses projetos”, adianta o presidente do grupo de trabalho, João Augusto Branco Cobra, assessor especial da Casa Civil.

Segundo ele, o trabalho multidisciplinar do grupo vai permitir que profissionais e ferramentas das diversas secretarias e órgãos do Estado possam suprir a necessidade de outros, a fim de que as atividades essenciais para a continuidade das obras sejam realizadas de forma mais rápida e com menor custo.

Fazem parte do grupo de trabalho representantes da Casa Civil; Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec); Fundepar; Paraná Edificações; Paranacidade; Departamento de |Estradas de Rodagem (DER/PR); Secretaria da Infraestrutura e Logística; Secretaria da Justiça, Família e Trabalho; Secretaria da Segurança Pública, Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas e Secretaria da Fazenda. Copel e Sanepar, que também estão listadas no relatório inicial de obras paralisadas, farão seu planejamento de retomada individualizado. (Com AEN)


Compartilhe



Últimas notícias

Arquivo

26 de junho de 2019

Em fim de mandato, Rangel promete deixar licitado asfalto em 90% das ruas de PG

Divulgação

CASTRO

26 de junho de 2019

Curso prepara lideranças comunitárias

Divulgação

26 de junho de 2019

Erva-mate pode impulsionar economia no Vale do Iguaçu

Divulgação

26 de junho de 2019

É preciso uma reforma que corrija distorções, diz Aliel

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

28 de agosto de 2018

Vaza áudio de secretário de Cida falando sobre dinheiro em troca de apoio

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário