31 de agosto de 2017

Em Brasília Rangel defende maior prazo para pagamento de precatórios

Divulgação

O prefeito Marcelo Rangel e Procurador Geral do Município, Marcus Freitas, acompanharam reunião da Frente Nacional de Prefeitos sobre PEC 212

O prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel (PPS), participou ontem de um encontro promovido pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP), com a presença do presidente em exercício, Rodrigo Maia (DEM). A reunião aconteceu em Brasília, reunindo prefeitos de todo o Brasil e deputados federais para discutir projetos prioritários dos municípios brasileiros, entre eles a PEC 212, que prevê a extensão do prazo para pagamento de precatórios, passando de 2020 para 2024. O prefeito esteve acompanhado do Procurador Geral do Município, Marcus Freitas, e defendeu a aprovação da PEC que garantirá maior prazo para quitação dessa dívida.

“Estivemos reunidos com prefeitos e deputados para uma discussão dessa nova PEC, que prorroga o prazo para pagamento dos precatórios até 2024. Nós temos um planejamento em Ponta Grossa para sanar essa dívida crônica até 2020, o final do meu mandato, prevendo um plano de pagamento dentro de nossas condições financeiras, e também estratégias como a venda de terrenos públicos e a compensação de precatórios por dívida ativa”, destacou Rangel.

Diferente da situação econômica de Ponta Grossa, devido às condições financeiras da grande maioria dos municípios brasileiros, a expectativa das autoridades é pela aprovação da PEC. “Acho que é de bom senso que seja dado andamento a essa PEC, porque os municípios estão em grande dificuldade de cumprir com suas obrigações financeiras, especialmente com precatórios. Pelo o que pudemos perceber, a PEC deve ser aprovada nos próximos dias”, avalia Rangel.

Conforme determina a emenda constitucional 94, os municípios brasileiros precisam quitar a dívida de precatórios até o ano de 2020, mas a proposta da PEC 212 é modificar o regimento de pagamento de precatórios até 2024. A PEC já foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça e agora aguarda parecer do relator, deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB/SP). “A reunião de hoje confirma a importância que o tema tem para todos os prefeitos do Brasil, assunto este que estamos tratando com extrema importância, prioridade e responsabilidade desde o início do ano. A PEC é um pedido legítimo que está sendo feito pelos prefeitos de todo o Brasil, diante do cenário desfavorável da economia”, aponta o Procurador Geral do Município, Marcus Freitas.

De acordo com ele, também foi possível nesta reunião apresentar as estratégias e medidas adotadas pelo município desde o início deste ano. “A atual gestão já conseguiu realizar o pagamento de mais de R$ 28 milhões em precatórios e já apresentamos um plano de pagamento até dezembro de 2020, conforme prevê a Emenda Constitucional 94. Este plano inclui depósito mensal de 1,5% da Receita Corrente Líquida mensal, a lei da Compensação da Dívida Ativa para pagamento de Precatórios, a venda de terrenos públicos, o levantamento dos depósitos judiciais, entre outras medidas”, detalha Freitas.

Conforme a discussão, a expectativa dos prefeitos é de que a PEC seja aprovada. “Esta PEC tem coerência com o momento crítico que o Brasil vive na crise. Os municípios precisam fazer a quitação de décadas de não pagamento em apenas um mandato, o que é muito difícil para qualquer município, seja grande, médio ou pequeno. Este ano, nós temos um repasse menor aos municípios e uma arrecadação também menor. Se não houver uma dilatação no prazo, os municípios não conseguirão fazer o pagamento e vão ficar sem certidões, o que inviabiliza programas de saúde e educação e qualquer tipo de investimentos de infraestrutura. Por coerência, nós temos que colocar isso em apreciação e o plenário da Câmara, tenho certeza, vai ser favorável aos municípios brasileiros”, apontou o deputado federal Sandro Alex (PSD), que também acompanhou o encontro das autoridades.

Nas últimas semanas, o Município de Ponta Grossa realizou o pagamento de mais de R$ 700 mil referente às dívidas de precatórios, conforme plano de pagamento entregue ao Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJ-PR), que prevê o depósito mensal de 1,5% da Receita Corrente Líquida. (Com assessoria)


Compartilhe



Últimas notícias

Arquivo

4 de março de 2021

PG terá mutirão de vacinas contra a Covid-19 neste fim de semana

Divulgação

4 de março de 2021

Fiocruz confirma circulação de variantes do coronavírus no Paraná

Divulgação

4 de março de 2021

Suspensão do processo de concessão atende interesses dos paranaenses, diz Romanelli

Divulgação

4 de março de 2021

Feirão da Qualificação, Emprego e Renda acontece neste mês

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

28 de setembro de 2020

Ponta Grossa tem 456 candidatos a vereador em 2020; Confira a lista