13 de setembro de 2018

Convidados do Congresso de Educação apoiam a leitura e formação de leitores

Divulgação

Participantes acreditam que o evento pode estimular o desenvolvimento do município.

Os palestrantes e conferencistas do VI Congresso de Educação de Ponta Grossa têm elogiado a política pública de incentivo à leitura realizada na cidade. Eles acreditam que o evento e a Feira do Livro podem contribuir para o desenvolvimento do Município, a melhoria nas condições de vida e estimular a cidadania. “Este congresso é um esforço coletivo em prol da leitura, porque acreditamos que a leitura é a primeira alavanca do desenvolvimento humano”, disse a escritora Marina Colasanti, em palestra a 1 mil professores e estudantes.

Aos 81 anos, Colasanti é uma das principais autoras da literatura infanto-juvenil brasileira e está entre as principais vozes femininas da história do país. Em palestra no Centro de Convenções do Shopping Palladium, ela falou sobre a escrita feminina e o Congresso. “O Brasil vive muito destas iniciativas, de pessoas e governos que acreditam no poder transformador e civilizatório da leitura. De um encontro como esse pode sair somente coisa boa”, afirma a escritora.

Ela destacou ainda o papel do professor neste processo. “Sempre digo que um professor que não é um leitor, não fará um estudante leitor. Para fazer leitores é preciso ser leitor, amar a leitura. Não importa o tempo, tempo a gente rouba da boca da surucucu para ler. Mas quem não ama ler, não faz meninos leitores”. A escritora acredita que uma cidade formada por leitores se diferencia de outras, onde não há a prática da leitura. “Ela terá cidadãos mais conscientes, eleitores mais preparados, seres humanos mais redondos, será mais civilizada”, declarou.

Outro palestrante que abordou o hábito de ler como grande diferencial para uma cidade foi o pesquisador e professor César Nunes, doutor em filosofia e livre docente em educação da Universidade de Campinas (Unicamp). Em sua fala na noite ontem, 12, ele destacou que a média anual de leitura de livros do brasileiro é uma das piores do mundo. Enquanto no Brasil a leitura per capita é de somente 1,8 livro, no Uruguai o número é de 4,4, chegando a 5,1 na Argentina, 10,5 em Portugal, 31,2 em Cuba e 33,6 na Suécia. “No Brasil, não conseguimos chegar a dois livros por pessoa. É uma pobreza”, lamenta Nunes.

Nunes enfatizou o conceito do VI Congresso, ‘Ponta Grossa Narra’. “Todo mundo precisa dotar-se de narrativa. Quem não tem narrativa, não sabe quem é. Ela é consciência que nós temos de nós e do mundo. Por isso quero parabenizar este título do Congresso, porque narrar é fazer o tecido da vida. Quem aprende a narrar aprende a tecer o tecido da vida. E só vai poder narrar a sua história quem for educado para escutar as histórias dos outros. As histórias da humanidade, do pai e da mãe, dos avós, da sua ancestralidade. Para que a gente entenda, nas histórias de quem nós amamos, a nossa própria história”, apontou o palestrante.  (Com assessoria).


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

22 de abril de 2019

Sala do Empreendedor inicia Semana de Regularização Fiscal

Divulgação

22 de abril de 2019

Comissões na Câmara investigam supostos desvio de combustível e superfaturamento em rotatórias de Rangel

Divulgação

22 de abril de 2019

Comissão adia decisão sobre o fim da aposentadoria de ex-governadores

Arquivo

22 de abril de 2019

CCJ analisará amanhã emendas da proposta de reforma administrativa do governo do Estado

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

28 de agosto de 2018

Vaza áudio de secretário de Cida falando sobre dinheiro em troca de apoio

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário