CASTRO

13 de setembro de 2019

Comida árabe é tema do Coma Aprendendo

Divulgação

A cultura e a comida árabe foram trabalhados em sala de aula pelos professores que abordaram a origem, costumes e curiosidades.

O oriente médio, sua história, costumes e gastronomia foi o tema deste mês nas escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) de Castro pelo projeto “Coma Aprendendo”.

Ontem, 12, iguarias da culinária árabe como quibe, arroz com lentilha e cebola refogada (mjadra), tabule, ovos cozidos ao molho de tomate e pimentões (shakshuka) e o bolo invertido com maçã e especiarias foram servidos para os alunos.

A cultura e a comida árabe foram trabalhados em sala de aula pelos professores que abordaram a origem, costumes e curiosidades. Para receber os estudantes, os refeitórios foram decorados e os alunos fizeram apresentação de dança típica pelos alunos e uma odalisca.

A nutricionista e superintendente de alimentação escolar, Lia Calleya Barela, destacou que mais uma vez, as escolas se empenharam para levar a cultura e gastronomia para os alunos. “Estão todos de parabéns. Equipe pedagógica, professores e merendeiras que proporcionaram esses momentos de cultura para as crianças”, disse. (Com assessoria)


Compartilhe



Últimas notícias

Divulgação

29 de maio de 2020

Prefeitura reduz despesa com pessoal, mas continua acima do Limite Prudencial

Arquivo

29 de maio de 2020

Paraná soma 4.236 diagnósticos de coronavírus e 173 mortes

Arquivo

29 de maio de 2020

Lei moderniza gestão de cargos nas universidades

Divulgação

29 de maio de 2020

Projeto quer trancamento gratuito de matrícula de ensino superior

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

31 de março de 2020

Ratinho Junior libera igrejas e outras atividades consideradas essenciais no Paraná

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário