11 de junho de 2019

Câmara rejeita projeto que pedia transparência com diárias

Divulgação

Parecer contrário da Comissão de Justiça foi mantido pelo plenário. Vereador Geraldo Stocco lamentou falta de comprometimento com o dinheiro público. Votaram pelo arquivamento da proposta os vereadores: Milla, Divo, Mingo, Kalinoski, Guiarone, Florenal, Jorge da Farmácia, Doutor Zeca, Doutor Magno, Pietro, Mioduski, Professora Rose, Mainardes, Vinícius Camargo e Valtão.

A Câmara Municipal de Ponta Grossa decidiu rejeitar e arquivar ontem, 10, o projeto de resolução 01/2018 dos vereadores Geraldo Stocco (Rede) e Ricardo Zampieri (PSL). A medida buscava garantir maior transparência com o uso de diárias pagas pelo Legislativo Municipal, mas recebeu parecer contrário da Comissão de Legislação, Justiça e Redação (CLJR) e acabou sendo arquivado.

O projeto foi ao plenário e 15 vereadores votaram pela manutenção do parecer contrário e outros 5 pela derrubada. Votaram pelo arquivamento da proposta os vereadores: Daniel Milla (PV), presidente, Divo (PSC), Mingo Menezes (DEM), Eduardo Kalinoski (PSDB), Sargento Guiarone (PROS), Florenal (Pode), Jorge da Farmácia (PDT), Doutor Zeca (Cida), Doutor Magno (PDT), Pietro Arnaud (Rede), Rogério Mioduski (Cida), Professora Rose (PSB), Sebastião Mainardes Júnior (DEM), Vinícius Camargo (PMB) e Valtão (PP).

O projeto de Stocco obrigaria que os vereadores prestassem contas dos gastos que tem com diárias. “É uma pena que parte da Câmara não esteja comprometido com o dinheiro público”, criticou o parlamentar.

O vereador lembrou que no mercado de trabalho os funcionários das empresas, normalmente, tem que prestar contas dos gastos que tem em viagens para serem ressarcidos. “Mas o mesmo não acontece na Câmara. Aqui um vereador recebe uma diária de R$ 250 para compromissos no Paraná e R$ 350 em Brasília ou em qualquer cidade fora do Estado e não presta contas do que gastou ou não”, disse o vereador.

Stocco destacou a importância de viagens para a qualidade do trabalho parlamentar, mas cobrou transparência. “Sei da importância das viagens, o que eu questiono é a falta de transparência com o recurso que é recebido. Se os trabalhadores que atuam no mercado prestam contas, porque nós, homens públicos, não o faríamos?”, questionou o parlamentar.

GASTO EXCESSIVO – Para Stocco atualmente há um gasto excessivo com o pagamento de diárias e a obrigatoriedade de prestação de contas poderia contribuir com a diminuição desses gastos. “Vivemos uma crise profunda na política e na economia. Defendo que devemos dar o exemplo e caso um vereador não use todo o valor da diária o restante deve ser devolvido aos cofres públicos”, avalia o vereador. (Com assessoria)


Compartilhe



Últimas notícias

Arquivo

26 de junho de 2019

Em fim de mandato, Rangel promete deixar licitado asfalto em 90% das ruas de PG

Divulgação

CASTRO

26 de junho de 2019

Curso prepara lideranças comunitárias

Divulgação

26 de junho de 2019

Erva-mate pode impulsionar economia no Vale do Iguaçu

Divulgação

26 de junho de 2019

É preciso uma reforma que corrija distorções, diz Aliel

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

Arquivo

28 de agosto de 2018

Vaza áudio de secretário de Cida falando sobre dinheiro em troca de apoio

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário