7 de novembro de 2019

Assembleia comemora os 50 anos da Universidade Estadual de Ponta Grossa

Divulgação

Sessão solene em homenagem aos 50 anos da instituição criada em 1969 prestou reconhecimento ao trabalho de reitores e ex-reitores pela comunidade acadêmica.

Os 50 anos de fundação da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) foram celebrados em uma sessão solene no Plenário da Assembleia Legislativa do Paraná, ontem, 06. Por proposição do líder do Governo na Casa, deputado Hussein Bakri (PSD), 19 reitores e ex-reitores, vice-reitores e ex-vice-reitores receberam menções honrosas do Legislativo pelo trabalho prestado em nome da ciência na instituição dos Campos Gerais, criada por decreto do ex-governador Paulo Pimentel em 6 de novembro de 1969.

“É o reconhecimento a uma das instituições de ensino público mais importantes do Paraná, cuja história se confunde com a do ensino superior no Estado. Muitos nela se formaram e dedicaram seu tempo, carinho e amor à universidade. Muito mais do que palavras, esta homenagem é um reconhecimento aprovado unanimemente por todos os parlamentares em nome do povo paranaense”, declarou o deputado Hussein Bakri.

Presidindo a sessão solene, o vice-presidente da Assembleia Legislativa, deputado Plauto Miró (DEM), parabenizou os 50 anos da universidade estadual. “Um modelo para o mundo inteiro. Vimos no decorrer destes anos, reitores, professores e servidores participarem desta história, que hoje é homenageada”. De acordo com o parlamentar, natural de Ponta Grossa, a instituição criada em 1969 impulsiona o desenvolvimento social e econômico dos Campos Gerais e do Paraná.

Para o reitor da UEPG, Miguel Sanches Neto, que é professor do Departamento de Estudos da Linguagem da instituição, a homenagem representa para a reitoria, em nome de todos os alunos e servidores, o agradecimento da sociedade ao ensino superior público. “É um reconhecimento da importância das universidades estaduais para o desenvolvimento socioeconômico e cultural do Estado. Não tenho dúvida que o sistema universitário do Paraná é a instituição mais robusta em todo o nosso Estado e a solenidade atesta esta qualidade”, explicou.

Segundo o superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, professor Aldo Nelson Bona, o ato de instituição da UEPG, em 1969, se estendeu também à criação da Universidade Estadual de Maringá (UEL) e à Universidade Estadual de Londrina (UEL). “As três primeiras universidades estaduais do Paraná, no interior, em um momento em que o Estado tinha apenas uma única universidade pública, federal, localizada na Capital”, explicou.

“Celebramos a trajetória da UEPG e sua contribuição para o desenvolvimento dos Campos Gerais, uma região que se industrializa cada vez mais, atrai investimentos e se tornou um polo universitário com o protagonismo da UEPG. É uma saudação a toda a comunidade acadêmica de hoje e de ontem, que construíram e constroem uma universidade de referência para o interior do Paraná”, concluiu Aldo Bona.

Fizeram parte da mesa de honra também: o deputado Delegado Recalcatti (PSD); a juíza de direito da 1º Vara da Fazenda Púbica de Ponta Grossa, Jurema da Silveira Gomes; e o vice-reitor da UEPG, professor Everson Augusto Krum.

HOMENAGEADOS – Entre os 19 homenageados que receberam menções honrosas da Assembleia Legislativa no ato, estava o reitor da segunda gestão da UEPG, o também ex-deputado estadual, Odeni Vilaca Mongruel, que assumiu a instituição em 1974. “Vale a homenagem da comunidade universitária de Ponta Grossa aos poderes Legislativo e Executivo, que tomaram a iniciativa de criar e implantar uma universidade pública, regionalizada, que trouxe profundos reflexos ao desenvolvimento do Paraná”, afirmou.

Para Paulo Roberto Godoy, reitor da UEPG de 2002 a 2006, a universidade, apesar de estar em Ponta Grossa, tem produções “espelhadas pelo Brasil e pelo mundo”. “Ela qualifica pessoas para o exercício de funções nos mais diferentes ramos da atividade humana. Os recursos que a universidade gera, ou recebe, promovem o desenvolvimento de uma vasta região. Ela também atende pacientes nas áreas de odontologia e saúde em geral, através do Hospital Regional Universitário, implantado em 2006”, explicou.

O ex-reitor da UEPG por três gestões e ex-secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Carlos Gomes, tem 44 anos de atividade na instituição, também como aluno e professor. “É muito dignificante para todos nós. Uma universidade regional, criada da fusão de antigas faculdades e que deu grande contribuição para a cidade, para a região dos Campos Gerais, para o Paraná e para o Brasil”, destacou.

HISTÓRIA – A UEPG foi criada pelo Governo do Estado do Paraná, resultado da incorporação das Faculdades Estaduais já existentes e que funcionavam isoladamente em Ponta Grossa. O campus de Telêmaco Borba foi criado em 1985, sendo o primeiro avançado da instituição. Atualmente, com dois campi em Ponta Grossa e um em Telêmaco Borba, a universidade tem extensões em Castro, Jaguariaíva, Palmeira, São Mateus do Sul e União da Vitória.

A UEPG é referência em Educação a Distância (EAD), através do Núcleo de Tecnologia e Educação Aberta e a Distância (NUTEAD), conta com 38 cursos de graduação (presenciais e à distância), além de pós-graduação em nível de especialização, mestrado e doutorado. Sua região de influência abrange 22 municípios. (Com assessoria)


Compartilhe



Últimas notícias

Arquivo

20 de novembro de 2019

Diretor-geral da Alep preso na Operação Taxa Alta é exonerado

Arquivo

20 de novembro de 2019

Câmara promulga fim da cobrança da tarifa mínima da Sanepar

Arquivo

20 de novembro de 2019

Gaeco cumpre mandados de prisão em investigação de contrato do Detran

Divulgação

19 de novembro de 2019

Após denúncia de calote, Prefeitura programa repasses para Fundo da Cultura

Ver mais

Mais Lidas

Arquivo

11 de janeiro de 2017

Prefeitura quebrada, cidade abandonada e Rangel de malas prontas para cruzeiro no Caribe

14 de agosto de 2017

Suposto patrocínio da UEPG em aniversário do MST gera polêmica nas redes sociais

Arquivo

"RAMBO"

10 de fevereiro de 2017

“Vou fechar todos os buracos da cidade em seis meses ou não me chamo Márcio Ferreira”, impõe meta secretário

Divulgação

9 de setembro de 2019

Secretário Superman é socorrido após levar surra